Dólar

Dólar renova máxima do ano e atinge a R$ 5,48: Veja os dois motivos que fizeram a moeda norte-americana disparar hoje

19 jun 2024, 11:52 - atualizado em 19 jun 2024, 17:42
dolar
(Imagem: REUTERS/Ricardo Moraes)

O dólar à vista opera em alta nas primeiras horas do pregão e atingiu a maior cotação de 2024 (até agora). Por volta de 14h (horário de Brasília), a moeda norte-americana renovou máxima intradia a R$ 5,4827, com alta de 0,89%. 

No ano, a dólar avança cerca de 12% ante o real. 



A divisa norte-americana tem acumulado ganhos contínuos nas sessões recentes em meio à crescente incerteza sobre o compromisso do governo com as contas públicas.

Na véspera, o dólar atingiu o nível mais alto desde 4 de janeiro de 2023, quando encerrou o dia em R$ 5,4523.

No cenário externo, as negociações do dólar operam próximas da estabilidade com a paralisação das operações do mercado dos Estados Unidos por conta de um feriado nacional. O indicador DXY, que compara o dólar a uma cesta de seis divisas, caiu 0,01%, aos 105.246 pontos. 

Veja o que está influenciando na disparada do dólar

1 – Expectativa pelo Copom 

A forte valorização acontece enquanto os investidores aguardam pela decisão do Comitê de Política Monetária (Copom). A expectativa é de manutenção da taxa Selic a 10,50% ao ano. 

“A interrupção do ciclo de baixa se faz necessária diante do contexto econômico atual, marcado por uma atividade econômica forte, mercado de trabalho apertado, expectativas de inflação desancoradas e forte piora na percepção de risco”, afirma Rafael Passos, da Ajax Asset. 

Dessa vez, o mercado espera uma decisão unânime — depois de uma clara divisão sobre a condução monetária na última reunião do comitê, realizada em maio, quando a Selic foi reduzida para 10,50% ao ano. 

Na decisão, os diretores indicados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva votaram em um corte de 0,50 ponto percentual, e os diretores remanescentes da gestão de Jair Bolsonaro formaram maioria por uma redução de 0,25 ponto — o que fragilizou a credibilidade do Banco Central.

Por sua vez, o foco dos investidores hoje estará nos votos de cada membro do BC, à medida que o mercado tenta projetar o futuro da política monetária brasileira após o término do mandato do presidente Roberto Campos Neto, no fim do ano.

A decisão do Copom será divulgada após o fechamento do mercado. 

2 – Cenário fiscal 

O cenário fiscal segue no radar do mercado com a escalada das tensões entre o governo e o Banco Central com declarações do presidente Lula na véspera — que aumentaram as incertezas sobre a economia entre os investidores locais. 

“Só temos uma coisa desajustada neste país: é o comportamento do Banco Central. Essa é uma coisa desajustada. Presidente que tem lado político, que trabalha para prejudicar o país. Não tem explicação a taxa de juros estar como está”, disse em entrevista à rádio CBN.

Apesar das críticas, Lula não indicou alternativas concretas sobre como se dará o ajuste fiscal no país, afirmando apenas que nada pode ser descartado no momento.

Em meio às derrotas do governo no Congresso em seus esforços para elevar a arrecadação federal, o mercado tem pressionado pela revisão de gastos orçamentários a fim de que a meta de zerar o déficit primário neste ano seja atingida.

A disputa interna sobre cortes de gastos, medida defendida pela equipe econômica, mas vista com resistência por outros membros do governo, tem ajudado o dólar em seus ganhos frente ao real.

*Com informações de Reuters

Jornalista formada pela PUC-SP. É repórter do MoneyTimes e já passou pela redação do Seu Dinheiro e setor de análise politica da XP Investimentos.
Jornalista formada pela PUC-SP. É repórter do MoneyTimes e já passou pela redação do Seu Dinheiro e setor de análise politica da XP Investimentos.
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.