Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Dona de shoppings nos EUA planeja pedido de recuperação judicial

22/08/2020 - 12:01
A empresa continuará negociando com credores seniores e outros que não assinaram o acordo. Conforme o planejamento, o processo judicial eliminaria US$ 900 milhões em dívidas (Imagem: Instagram/CBL)

Nos EUA, a proprietária de shopping centers CBL Properties planeja um pedido de recuperação judicial, vítima da menor frequência de clientes, do fechamento de lojas e de aluguéis insuficientes para cobrir mais de US$ 3 bilhões em dívidas.

Segundo comunicado, a companhia já chegou a um acordo com alguns credores para entregar o controle da operação aos detentores de seus títulos não garantidos.

A empresa continuará negociando com credores seniores e outros que não assinaram o acordo. Conforme o planejamento, o processo judicial eliminaria US$ 900 milhões em dívidas.

A CBL já tinha avisado investidores dos problemas porque os inquilinos não estavam pagando aluguel. A expectativa é que os shopping centers da companhia permaneçam abertos ao longo do processo judicial.

A recuperação judicial será pedida o mais tardar em 1º de outubro e provavelmente será financiada pelos US$ 220 milhões em caixa que a CBL considera suficiente para continuar operando e pagar pela reestruturação.

Suas joint ventures e unidades de propósito especial, que detêm propriedades hipotecadas, não entrarão na proposta de falência, informou a CBL. Essas empresas continuarão pagando suas dívidas normalmente.

Membros da família fundadora têm participações relevantes e Stephen D. Lebovitz, filho do cofundador, é o CEO. Sob a proposta de reestruturação, detentores de ações ordinárias e preferenciais teriam 10% da empresa reestruturada.

Esses acordos precisam ser aprovados por um juiz de falências depois que os credores tiverem a oportunidade de votar.

Shoppings em apuros

Há muito tempo os analistas já previam problemas para os shopping centers e centros comerciais de rua que atendem áreas menos abastadas dos EUA. Esse perfil domina o portfólio da CBL de mais de 100 propriedades em 26 estados.

A empresa tem sofrido para compensar a perda de lojas âncoras, como Sears e J.C. Penney, e varejistas com unidades em toda parte, como Forever 21. Muitas varejistas faliram ou reduziram o número de lojas à medida que a clientela debandou para o e-commerce.

Para preencher o espaço vazio, a CBL recorreu a inquilinos não tradicionais, incluindo academias esportivas, restaurantes, consultórios médicos e cassinos. Mas a empresa sediada em Chattanooga, Tennessee, não tinha capital para investir nos inquilinos inovadores nem para atrair frequentadores, de acordo com a Bloomberg Intelligence.

E isso foi antes do coronavírus, que forçou a CBL a fechar temporariamente 68 shoppings que possui ou administra. A companhia já informou que arrecadou apenas 27% dos aluguéis cobrados em abril e provavelmente receberá de 25% a 30% dos aluguéis de maio, com base nas receitas preliminares e conversas com varejistas.

“Eles nunca posicionaram a dívida para conseguir suportar uma piora econômica como estamos vendo agora”, acrescentou Vince Tibone, analista sênior da Green Street Advisors.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 19/08/2020 - 12:09

Cotações Crypto
Pela Web