Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Doria diz que política não pode interferir em vacina e pede compreensão de Bolsonaro

21/10/2020 - 11:54
João Doria
Ao lado de outros governadores, Doria participou na véspera de reunião com o Ministério da Saúde em que ficou definida a inclusão da vacina chinesa da Sinovac (Imagem: Reuters/Amanda Perobelli)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta quarta-feira que questões políticas, ideológicas ou eleitorais não podem interferir no processo de imunização dos brasileiros contra a Covid-19 e aproveitou para pedir “compreensão” e “sentimento humanitário” ao presidente Jair Bolsonaro.

Ao lado de outros governadores, Doria participou na véspera de reunião com o Ministério da Saúde em que ficou definida a inclusão da vacina chinesa da Sinovac, em desenvolvimento que conta com a participação do Instituto Butantan, do governo do Estado de São Paulo, no Programa Nacional de Imunização.

Na manhã desta quarta, no entanto, em resposta a apoiadores em uma rede social e posteriormente em uma outra publicação, Bolsonaro disse que a vacina não será adquirida por seu governo, argumentando que “o povo brasileiro não será cobaia de ninguém”, apesar de o acordo anunciado na véspera prever a compra da vacina chinesa após obtenção de registro junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Bolsonaro e Dória são desafetos políticos.

“Esta vacina (Sinovac) acabou sendo a mais avançada e classificada como a mais promissora das vacinas neste momento, na última fase de testagem aqui no Brasil”, disse Doria, após encontro com parlamentares de diversos partidos, como os senadores Izalci Lucas (PSDB-DF), líder em exercício da bancada no Senado, e do líder Randolfe Rodrigues (REDE-AP).

“A vacina do Butantan é a vacina do Brasil, é a vacina de todos os brasileiros. Nós não classificamos vacina por razões políticas, ideológicas, partidárias ou eleitorais. Vacina significa vida, existência, proteção ao povo brasileiro, esta é a nossa visão”, afirmou o governador de São Paulo.

Doria lembrou das mortes diárias decorrentes da nova doença, dos impactos econômicos e da dificuldade de retomada da atividade. Argumentou, ainda, que a “volta ao normal acontecerá com a vacina”.

O governador disse ter posição favorável a todas as vacinas que obtiverem aprovação da Anvisa, não apenas à produzida pelo instituto de São Paulo, que, aproveitou para destacar, tem 120 anos de existência, e figura como o maior produtor de vacinas da América Latina, com “respeitabilidade internacional”.

Doria também quis deixar claro que o Butantan segue rigorosamente as determinações da Anvisa, resposta indireta aos questionamentos sobre a confiabilidade da vacina a ser produzida.

“A vacina é que vai nos salvar, salvar a todos. Não é a ideologia, não é a política, não é o processo eleitoral que salva. É a vacina”, defendeu Doria, fazendo um apelo ao presidente da República e uma defesa da atitude de Pazuello.

“Eu peço a compreensão do presidente Jair Bolsonaro e o seu sentimento humanitário para compreender que o seu ministro da Saúde agiu corretamente, agiu baseado na ciência, na saúde, na medicina e priorizando a vida dos brasileiros”, declarou o governador.

Doria lembrou ainda que Pazuello é o terceiro ministro da Saúde deste governo e avaliou não ser “razoável” que o presidente não respeite as decisões de subordinados indicados por ele mesmo para as pastas.

(Atualizada às 13h03)

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 21/10/2020 - 13:03