Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Dreyfus usa ações da Raízen como colateral em dívida

26/02/2021 - 21:34
O negócio ainda depende de aprovação do Cade, regulador antitruste no Brasil (Imagem: Youtube/Louis Dreyfus Company))

A Louis Dreyfus Holding BV deve toda a sua participação na Raízen Energia SA como garantia de um empréstimo para acalmar credores de sua antiga unidade de usina de açúcar no Brasil, de acordo com as pessoas a par do assunto.

A trading de commodities agrícolas controlada pela bilionária Margarita Louis-Dreyfus deve pública vender a participação de cerca de 3,5% que terá na Raízen para ajudar a pagar a dívida se a maior produtora de açúcar e etanol do Brasil emitir ações em uma oferta inicial , disse como pessoas, que pediram para não ser identificadas porque são autorizadas. 

Os dividendos que a Dreyfus deve receber da fatia de 1,49% que terá em ações resgatáveis ​​da Raízen também serão usados ​​para pagar dívidas, segundo as pessoas.

A Dreyfus vai receber as ações da Raízen na venda da Biosev SA, anunciada este mês, e vai se livrar de cerca de metade da dívida da unidade. 

Espera-se que a legalização das apostas esportivas seja muito significativa aos impostos

A empresa ainda é responsável pelo pagamento de R $ 4,1 bilhões em empréstimos que completados da Biosev, conhecida como pessoas. 

Essa dívida será detida pelo braço de investimentos da trading, Hédera Investimentos e Participações.

Um porta-voz de Dreyfus não quis comentar.

A participação da Dreyfus na Raízen, uma joint-venture da Royal Dutch Shell Plc e a gigante de infraestrutura do Brasil Cosan SA, pode estar avaliada em cerca de R $ 3 bilhões, disse uma das pessoas. 

Para adquirir uma Biosev, a Raízen vai pagar R $ 3,6 bilhões ou cerca de 47% da dívida da unidade brasileira. 

O negócio ainda depende de aprovação do Cade, regulador antitruste no Brasil.

Em 2018, a Dreyfus foi forçada a injetar US $ 1 bilhão na Biosev para poder estender os vencimentos da dívida da subsidiária, enquanto o negócio ainda estava afundando com vários anos consecutivos de preços baixos do açúcar e fraca demanda por etanol.

No ano passado, a Dreyfus concordou em vender uma participação de 45% em si mesma para um fundo sóbrio de Abu Dhabi, abrindo a empresa familiar para participação externa pela primeira vez.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por André Luiz - 26/02/2021 - 21:34

Pela Web