Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Economia dos EUA corre risco de “cenário trágico” sem estímulo

07/10/2020 - 10:43
Jerome Powell
O pacote pode ser adiado até janeiro ou fevereiro, depois que um novo Congresso for eleito (Imagem: Toni L. Sandys/Pool via Reuters)

O colapso das negociações para o pacote de estímulo antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos ameaça agravar a crise econômica enfrentada pelos americanos e limitar a recuperação já em desaceleração.

A decisão tomada na terça-feira pelo presidente dos EUA, Donald Trump, de abandonar as negociações com os democratas em meio a diferenças sobre o tamanho do estímulo – embora horas depois tenha dado sinais de reverter o curso – provavelmente eliminou as chances de um pacote de ajuda antes das eleições de 3 de novembro.

O pacote pode ser adiado até janeiro ou fevereiro, depois que um novo Congresso for eleito, o que significa que pode haver um período de quatro ou cinco meses sem ajuda extra para americanos desempregados e pequenas empresas.

A decisão coloca a recuperação econômica em risco de estagnação no quarto trimestre, com a atividade bem abaixo do nível pré-pandemia em meio à propagação persistente do coronavírus e à espera por uma vacina. Isso pode aumentar a pressão sobre o Federal Reserve para fornecer mais apoio.

“As notícia significa que o crescimento deve desacelerar para um dígito médio no quarto trimestre em relação a cerca de 30% no terceiro, e torna a economia mais vulnerável se outro choque ocorrer”, disse Jay Bryson, economista-chefe do Wells Fargo.

O tuíte de Trump anunciando o fim das negociações foi enviado horas depois de Jerome Powell, presidente do Fed, ter alertado sobre cicatrizes econômicas mais duradouras e fraca recuperação sem ajuda governamental suficiente. Segundo Powell, muito estímulo não seria um problema.

“Isso aumenta a probabilidade de cairmos no trágico cenário apresentado pelo presidente Powell, de ter uma recessão mais duradoura com cicatrizes mais profundas em nossa economia, principalmente na força de trabalho”, disse Diane Swonk, economista-chefe da Grant Thornton.

Economistas dizem que ainda esperam um projeto de lei de estímulo dentro de alguns meses, ou especulam que a medida de Trump pode ser uma tática de negociação.

Executivos de empresas expressaram desânimo com a interrupção das negociações.

Muitos analistas de Wall Street dizem uma que uma ampla vitória democrata daria o maior impulso fiscal à economia – porque o Congresso aprovaria um grande projeto de lei de alívio da pandemia logo após a posse de Joe Biden, que tem prometido maiores gastos públicos do que Trump.

No curto prazo, porém, o efeito econômico é pura matemática: menos dinheiro nas contas bancárias de americanos e pequenas empresas significa menos recursos para gastar em bens e serviços e menor capacidade de manter a força de trabalho intacta.

“O que estamos observando é uma probabilidade de desaceleração do consumo e isso coloca em risco a extensão da recuperação”, disse Joel Naroff, presidente e economista-chefe da Naroff Economics.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Lucas Simões - 07/10/2020 - 11:16