Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Em despedida, Guardia defende reforma da Previdência

02/01/2019 - 17:07

O ex-ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, defendeu a reforma da Previdência e o combate à regressividade dos gastos e dos tributos, que beneficiam os mais ricos em detrimento da maioria da população. Na cerimônia de transmissão de cargo para o novo ministro da Economia, Paulo Guedes, ele citou os principais desafios que a nova equipe econômica enfrentará.

Segundo Guardia, a equipe econômica terá de se debruçar sobre a simplificação do sistema tributário e o avanço da abertura comercial para aumentar a produtividade da economia brasileira. Ele, no entanto, recomendou o diálogo harmonioso entre os Três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) para permitir a aprovação da reforma da Previdência, com o objetivo de reduzir a regressividade de aposentadorias e pensões que beneficiam categorias mais ricas e com maior poder de barganha e prejudica a maioria.

“Temos que reduzir a regressividade do gasto e do sistema tributário, onde o gasto é regressivo e o sistema tributário penaliza os menos favorecidos em função do peso da tributação indireta”, disse Guardia. O ex-ministro destacou realizações da equipe econômica anterior, como a reforma trabalhista, a reforma no ensino médio, a criação da Taxa de Longo Prazo (taxa que corrige os financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES) e uma série de medidas de desburocratização, como a duplicata eletrônica e a regulamentação do cadastro positivo (relação de bons pagadores).

Redução de custeio

O ex-ministro do Planejamento, Esteves Colnago, que será o secretário executivo especial da Fazenda, enumerou as realizações da pasta nos últimos dois anos. Ele citou a criação de painéis de acompanhamento e controle de gastos, a digitalização de serviços públicos, a portaria que permite o livre remanejamento de servidores entre os órgãos federais e a maior cooperação entre a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais e as empresas da União.

Colnago citou o teto de gastos como mecanismo essencial para controlar o crescimento das despesas públicas. Segundo ele, a trava de gastos trouxe mais transparência para os gastos federais e impediu que o governo aumente tributos para financiar as despesas crescentes.

Dinamização comercial

O ex-ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge, citou, como legado, o reconhecimento da Organização Mundial do Comércio (OMC) de que o Brasil foi o país que mais adotou medidas de abertura comercial. Ele mencionou ainda medidas de desburocratização, como o portal único de comércio exterior e a redução do tempo de abertura de empresas, citada no relatório mais recente Doing Business, do Banco Mundial.

Jorge citou o Rota 2030, regime especial para o setor automotivo, como ferramenta para impulsionar os investimentos pelos próximos 15 anos. Segundo ele, o regime permitiu que uma montadora japonesa anunciasse a produção, no Brasil, do primeiro veículo eletrônico híbrido do mundo, movido a energia elétrica e a etanol. Marcos Jorge também disse que os dados da balança comercial mostraram que o comércio exterior está mais dinâmico hoje.

Além de Guedes e dos ministros que deixaram o cargo, a cerimônia teve a presença dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli; do presidente do Tribunal de Contas da União, ministro Raimundo Carreiro, e do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, que ficará no cargo até março. O futuro presidente do BC, Roberto Campos Neto, também esteva no evento, que ocorreu num auditório cedido pelo TCU.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por - 02/01/2019 - 17:07

Cotações Crypto
Pela Web