Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Empresa da EDP Brasil tem aval do Cade para aquisição em geração distribuída em SP

22/01/2020 - 10:40
EDP
O negócio envolve quatro sistemas de geração distribuída ainda não operacionais na cidade paulista de Taubaté (Imagem: Facebook)

A EDP Grid, unidade da elétrica Energias do Brasil (ENBR3), do grupo português EDP, recebeu autorização do órgão brasileiro de defesa da concorrência para a aquisição ativos de geração distribuída da Léros Geradora.

A operação foi aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), de acordo com despacho publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

O negócio envolve quatro sistemas de geração distribuída ainda não operacionais na cidade de Taubaté, em São Paulo, segundo parecer do Cade, que não informa a capacidade das instalações.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A compra dos ativos da Leros foi apontada como “uma oportunidade para o Grupo EDP desenvolver novos projetos de geração fotovoltaica no Brasil, expandindo o seu parque de geração renovável e atraindo novos clientes”, mostraram documentos entregues ao Cade, sem citar valores da transação.

O presidente da EDP Brasil, Miguel Setas, havia afirmado à Reuters em junho do ano passado que a empresa estava em busca de oportunidades de aquisição no segmento de geração distribuída de energia, que tem crescido em ritmo acelerado no Brasil.

O país registrou em 2019 a instalação de 1,3 gigawatts em novos sistemas com a tecnologia de geração distribuída solar, o que fez da fonte a segunda com maior expansão no mercado local no ano, atrás apenas das hidrelétricas, mas à frente de parques eólicos e de usinas solares de grande porte.

A potência instalada atualmente em geração distribuída solar no Brasil é de 2 gigawatts, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Última atualização por Lucas Simões - 22/01/2020 - 10:41

Por que a Empiricus desistiu de brigar com a CVM?