Escalada das tensões no Leste europeu espalha aversão ao risco aos derivativos agro

Giovanni Lorenzon
24/01/2022 - 13:37
Agronegócio Grãos Soja Trigo Agricultura
Soja, em colheita no Brasil, cede por chuvas no horizonte controlando as fortes perdas até aqui na América do Sul (Imagem: Pixabay/reijotelaranta)

Apesar do petróleo ir em sentido contrário, com baixa por ajuste técnico, a aversão ao risco é iminente nas commodities agrícolas diante de ameaça de invasão da Rússia à Ucrânia, sob ameaça de arrastar a Otan ou, no mínimo, um cenário para sanções caso se confirme os temores ocidentais.

Com exceção do trigo , que sobe firme (1,87%) justamente porque um conflito prejudicaria a produção e o escoamento do cereal ucraniano, todas as demais caem, enquanto o dólar index avança e as bolsas dos Estados Unidos seguem em baixa, estendendo as operações na Europa, como a B3 (B3SA3) também

A soja é outra que carrega parte de fundamentos em seus preços, em Chicago, nesta segunda (24).

Os mapas climáticos melhoraram o posicionamento das chuvas na América do Sul, o que estancaria as perdas emblemáticas até aqui, que alguns analistas enxergam em até 40 milhões de toneladas.

A oleaginosa recua 1,17%, a US$ 13,97 o bushel, e o milho conseguiu voltar à zona positiva, de leve, em mais 0,34%, a US$ 6,17, às   (Brasília).

Também no contato março, como os dois cereais, o café arábica cede 1,63%, a 234 c/lp, e o açúcar perde mais, 1,75%, a 18,57 c/lp, ambos em Nova York.

O algodão também recua no mesmo vencimento: 0,43%, a 120,27 c/lp.

 

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 24/01/2022 - 13:46

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto