Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Esforços voluntários não conseguem frear problema do plástico

20/09/2020 - 18:03
Os pesquisadores descobriram que, mesmo que todas essas promessas combinadas sejam cumpridas ao pé da letra, a poluição do plástico continuará a piorar, e em uma base cada vez maior (Imagem: Unsplash/@cristianpalmer)

Empresas que criam grande parte das 23 milhões de toneladas de plástico que chegam aos oceanos e rios a cada ano não têm conseguido estancar o fluxo de lixo e, em alguns casos, têm maquiado seus esforços, de acordo com dois novos relatórios.

Um grupo de cientistas liderado por Stephanie B. Borrelle, da Universidade de Toronto, desenvolveu um modelo para avaliar compromissos ambiciosos de conter o lixo plástico estabelecidos por países, organismos internacionais como as Nações Unidas e grupos independentes.

Os pesquisadores descobriram que, mesmo que todas essas promessas combinadas sejam cumpridas ao pé da letra, a poluição do plástico continuará a piorar, e em uma base cada vez maior.

A quantidade de lixo plástico que entra no abastecimento global de água a cada ano deve dobrar para 53 milhões de toneladas até 2030. Imagens da vida marinha entupida de plástico e praias repletas de garrafas de refrigerante descartadas causaram protestos que, por sua vez, levaram corporações e governos a propor uma série de promessas para aumentar a reciclagem.

“Sem uma grande inovação tecnológica, é inconcebível que os esforços para recuperar os resíduos plásticos do meio ambiente possam chegar a até 10% das emissões anuais”, disseram os pesquisadores em relatório publicado quinta-feira na revista Science.

Essas descobertas foram reforçadas por outra investigação de um grupo de defesa do meio ambiente de Londres, chamado Changing Markets Foundation. Por meio da pesquisa, o grupo descobriu que os 10 maiores produtores corporativos de plástico não estavam cumprindo nem mesmo as próprias metas de redução do uso de plástico virgem.

A fundação usou duas auditorias de marca mais recentes do grupo de defesa Break Free From Plastic como base para a pesquisa, examinando os compromissos de reciclagem declarados descritos nos relatórios e verificando o acompanhamento das empresas. O trabalho, disse a fundação no comunicado que acompanha os resultados publicados, incluiu análises de pesquisas, entrevistas com especialistas e grupos não governamentais, fontes da indústria, legisladores e solicitações de documentos governamentais.

Um estudo de caso envolveu a Coca-Cola, que a Break Free From Plastic repetidamente nomeou como a maior poluidora de plástico do mundo. A fundação descobriu que o relatório de sustentabilidade de 2009 da empresa incluía o compromisso de usar 25% de plástico reciclado em suas garrafas até 2015, enquanto seu relatório de 2015 citava 12,5% de conteúdo reciclado ou renovável em suas garrafas. A Coca-Cola não respondeu a um pedido de comentário.

O relatório também disse que, apesar da retórica em contrário, empresas de bebidas estavam minando ativamente os esforços de governos para restringir a produção de plástico por meio de leis. A Coca-Cola pertence a sete associações do setor que fizeram lobby para bloquear a legislação que exige reduções no uso de plástico virgem ou que afete seu descarte.

“As iniciativas e compromissos voluntários da indústria falharam”, disse Nusa Urbancic, diretora de campanhas da Changing Markets Foundation. “Os formuladores de políticas devem olhar além da cortina de fumaça da indústria.”

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 18/09/2020 - 17:17