Comprar ou vender?

Esqueça Assaí (ASAI3) e Carrefour (CRFB3); Itaú elege rede fora do radar como favorita

18 ago 2022, 16:10 - atualizado em 18 ago 2022, 16:10
Grupo Mateus
Grupo Mateus é apontada como a preferida do Itaú BBA no setor (Imagem: Divulgação)

O Grupo Mateus (GMAT3) é a varejista de alimentos favorita do Itaú BBA após os resultados do segundo trimestre de 2022, superando o Assaí (ASAI3) e o Carrefour (CRFB3) na preferência da corretora.

O BBA destaca que havia uma preocupação em relação às tendências marginais de geração de fluxo de caixa, visto que a empresa entrou em uma sólida fase de expansão que parecia ter sido realizada muito rapidamente.

Contudo, os resultados do 2T22 sugerem que o pior já passou, dada a melhora marginal nas tendências de fluxo de caixa do Grupo Mateus e a alavancagem operacional, que gerou rentabilidade acima da expectativa em geral.

“Vemos a negociação de ações em 9x preço/lucro 2023, muito abaixo dos pares. Nosso valor justo de R$ 9/ação no YE23 implica um forte potencial de valorização de 57%”, diz o Itáu BBA.

Assaí e Carrefour

Apesar de destacar preferência pelo Grupo Mateus, o BBA tem visão positiva para o setor de varejo alimentício.

Em relação ao Assaí, a corretora espera que a administração divulgue mais detalhes sobre a economia das lojas Extra, convertidas no segundo trimestre de 2022, já que os primeiros dados foram compilados.

A corretora destaca ainda que, embora a ação tenha tido uma ótima corrida recentemente (aumento de 41% em 2022), existe espaço para mais à medida que os investidores mudam seu foco para garantias de avaliação em 2024.

“Vemos o Assaí sendo negociado a 15,1x preço/lucro 23 e 10,8x preço/lucro 24. Nosso valor justo no YE23 de R$ 23/ação implica um potencial de valorização decente de 28%”, diz.

Já para o Carrefour, o BBA vê o ativo como um pouco mais arriscado, mas está otimista com o papel.

“A recente aquisição do Grupo BIG é um movimento estratégico que ajudou a empresa a consolidar ainda mais o segmento de C&C (comprar e levar) e criou caminhos de crescimento, como a expansão do Sam’s Club”, explica.

Do ponto de vista da avaliação, e após o desempenho das ações nos últimos 12 meses, o Itaú vê o papel do Carrefour em um múltiplo preço/lucro um pouco mais rico de 17,5x para 2023, mas 10,4x mais palatável para 2024.

“Comprar a ação é comprar a integração BIG, que levará a uma rápida contração múltipla. E embora permaneçamos todos envolvidos, também reconhecemos que grandes fusões e aquisições raramente são fáceis de gerenciar e pode haver alguns obstáculos ao longo do caminho. Nosso valor justo no YE23 de R$ 27/ação implica um potencial de valorização palatável de 33%”, diz.

BBA está otimista

Em relação ao setor, o Itaú BBA permanece otimista e, no médio prazo, enxerga ganhos consistentes de participação de mercado no formato Cash & Carry (C&C) em relação a outros formatos no varejo de alimentos.

“De acordo com nossas estimativas, a C&C encerrou 2021 com uma participação de mercado de 45%, ante apenas 26% em 2016. E isso não parece estar perto de um teto, uma vez que Supermercados e Hipermercados ainda detêm metade da participação de mercado”, diz.

No curto prazo, destaca que o aumento do subsídio do governo Auxílio Brasil para R$ 600 por mês pode servir como um bom impulsionador de receita para todos os varejistas nos próximos meses.

Disclaimer

Money Times publica matérias informativas, de caráter jornalístico. Essa publicação não constitui uma recomendação de investimento.

Siga o Money Times no Instagram!

Conecte-se com o mercado e tenha acesso a conteúdos exclusivos sobre as notícias que enriquecem seu dia! Sete dias por semana e nas 24 horas do dia, você terá acesso aos assuntos mais importantes e comentados do momento. E ainda melhor, um conteúdo multimídia com imagens, vídeos e muita interatividade, como: o resumo das principais notícias do dia no Minuto Money Times, o Money Times Responde, em que nossos jornalistas tiram dúvidas sobre investimentos e tendências do mercado, lives e muito mais… Clique aqui e siga agora nosso perfil!

Repórter
Formada em jornalismo pela Universidade Nove de Julho. Foi redatora na área de marketing digital por 2 anos e ingressou no Money Times em 2022.
Linkedin
Formada em jornalismo pela Universidade Nove de Julho. Foi redatora na área de marketing digital por 2 anos e ingressou no Money Times em 2022.
Linkedin