Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Estrangeiro está cético com rumos do Brasil, diz estrategista do Deutsche Bank

21/01/2021 - 16:38
Bandeira do Brasil
“O Brasil está numa encruzilhada, está decidindo o caminho que vai tomar”, disse Drausio Giacomelli, estrategista-chefe para mercados emergentes do Deutsche Bank (Imagem: Pixabay)

O investidor estrangeiro continua “muito reticente” com o Brasil e não há no curto prazo perspectiva de retorno consistente de fluxos externos, a despeito do ambiente global de farta liquidez, disse Drausio Giacomelli, estrategista-chefe para mercados emergentes do Deutsche Bank, destacando o peso das eleições no Congresso para as já fragilizadas perspectivas fiscais.

“Basta olhar o posicionamento de estrangeiros no mercado de títulos, que está em menos da metade do pico. O posicionamento em bolsa está em níveis mais baixos, perto de mínimas históricas, as entradas são táticas, não são estruturais”, afirmou.

Segundo ele, o “denominador comum” para isso é a discussão sobre que rumo o Brasil quer tomar. “O estrangeiro esperava mais e se frustrou muitas vezes. Ele está no modo ‘show me the money’, ele quer ser convencido. E nesse sentido a agenda do clima é importante. Meio ambiente é negócio. Espero que o Brasil passe a ver o meio ambiente como negócio, e não como ideologia.”

Para Giacomelli, o mercado conta com que até o fim de março a PEC emergencial e a reforma administrativa estejam em devida tramitação nas casas legislativas. A primeira propõe a criação de “gatilhos” que seriam acionados sempre que a regra de ouro fosse descumprida, enquanto a segunda tem como objetivo reduzir o custo da máquina pública.

“O Brasil está numa encruzilhada, está decidindo o caminho que vai tomar. Tem condições de tomar o caminho correto, mas a realidade é que já está tarde, estão fazendo isso na prorrogação”, disse o estrategista, referindo-se à intenção do governo de pautar reformas no Congresso e de articular com os parlamentares.

Giacomelli destaca que, se o Orçamento aprovado pelo Congresso para 2021 não for crível ou ameaçar o teto de gastos haverá pressão maior sobre juros e câmbio. “O cenário-base do Banco Central não se verificaria. O tempo de ação é o tempo de expiração do teto de gastos”, afirmou.

Congresso Nacional Brasília Política
Segundo Giacomelli, o mercado até tem paciência de esperar a definição política, mas se incomoda com a ausência de definições sobre políticas econômicas (Imagem: Agência Senado/Edilson Rodrigues)

Para o estrategista, no ritmo atual de atenção à pauta fiscal, o Brasil caminha, de novo, para manter o “voo de galinha” que tem marcado o país nos últimos 40 anos.

“Mais importante do que ter data é ter rumo, um caminho de credibilidade, não tem ‘quick fix’ aqui, não tem reparo rápido. É um processo de anos… E, por ora, temos pouca ou nenhuma notícia sobre o rumo das pautas positivas, da agenda de reformas, do governo.”

O estrategista disse que o mercado até tem paciência de esperar a definição política, mas se incomoda com a ausência de definições sobre políticas econômicas.

“Há um vácuo na política de reformas e na indicação de rumo que tornam a moeda do Brasil um termômetro da economia”, afirmou, lembrando que o real está, em seus cálculos, entre as três moedas com maior excesso de desvalorização.

E o real permanecerá fadado a uma “montanha-russa” ao longo deste ano, segundo o estrategista. Ele diz que já era prevista maior pressão cambial com a aproximação das eleições para o Congresso, mas se projeta algum alívio nos meses seguintes, considerando o encaminhamento das reformas.

“Você supera a tensão no segundo trimestre, mas depois elas ressurgem no fim do ano com as discussões sobre o Orçamento e o teto de gastos. No fim, o dólar deve fechar o ano em 4,80 reais.”

A projeção oficial para a Selic é de 3% ao término de 2021, ante os atuais 2%, mas Giacomelli disse que o BC sinalizou no comunicado do Copom da véspera que a taxa pode ir a 3,5% até dezembro.

“Prevemos crescimento da economia de 3,2% e não vejo motivos para se pensar que poderá ficar acima disso”, finalizou.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Diana Cheng - 21/01/2021 - 18:56