Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Europa: Fusão do Deutsche Bank e Commerzbank é cancelada

25/04/2019 - 11:26
Deutsche Bank
Sob pressão de acionistas e sindicato, os dois maiores bancos privados da Alemanha cancelaram a fusão (Imagem: Money Times)

Por Geoffrey Smith/Por Investing.com

Os dois maiores bancos privados da Alemanha, o Deutsche Bank (DE:DBKGn) e Commerzbank (DE:CBKG), cancelaram suas conversações sobre fusões, sob pressão de acionistas, reguladores e sindicatos.

A fusão discutida nunca foi a opção preferida dos dois bancos, já que ambos estão mais preocupados em tentar reverter operações cronicamente não-lucrativas. As negociações só aconteceram em grande parte devido à pressão política do Ministério das Finanças da Alemanha para garantir a sobrevivência de um campeão nacional.

EUA: Pedidos de bens duráveis vêm muito acima do esperado em março

Essa lógica não convenceu nem os reguladores, que temiam a criação de um novo banco “grande demais para falir” que manteria os políticos alemães como reféns, nem os sindicatos das duas instituições, que temiam até 30 mil cortes de empregos.

O Deutsche subia 3,2% em alívio por ter escapado do pesadelo de tal fusão carregada politicamente, embora a avaliação das ações em apenas 0,24 vezes seu valor contábil mostre que ainda tem grandes desafios pela frente. As ações do Commerzbank caíam 2,0%, refletindo a perda de um potencial comprador.

Mesmo assim, não é impossível que uma espécie de guerra de lances ainda possa surgir pelo o banco:o Unicredit (MI:CRDI) SpA da Itália e o holandês ING (AS:INGA) ambos indicaram interesse, de acordo com relatórios recentes, e o BNP Paribas(PA:BNPP) também analisou o Commerzbank alguns anos atrás. Nenhuma dessas ações está reagindo com qualquer entusiasmo à ideia de que agora elas estão mais propensas a colocar as mãos no banco.

Além disso, o Barclays (LON:BARC) recuava 2%, apesar de um conjunto de resultados geralmente decente, notavelmente por sua divisão de banco de investimento ter se saído melhor do que muitos dos rivais nos EUA durante turbulência do primeiro trimestre. Isso deve reforçar a posição do CEO Jes Staley, que enfrentará uma moção na reunião de acionistas da próxima semana para admitir o investidor ativista Edward Bramson no conselho. Bramson está pressionando para que o banco de investimentos seja reduzido drasticamente.

Enquanto isso, a reunião de acionistas do Royal Bank da Escócia (LON:RBS) foi precedida hoje por notícias de que o CEO Ross McEwan deixará o cargo. Ele ainda fica até próximo ano. Sob a direção de McEwan, o RBS retornou à lucratividade e resolveu a maioria dos escândalos relacionados à governança que a atormentaram na última década.

Nada disso está impedindo uma onda de lucros nos mercados em todo o continente, no entanto, a referência, o Euro Stoxx 600 caía 1,10 pontos, ou 0,3%, para 389,78, enquanto o FTSE 100 caía 0,5% e o alemão DAX caía 0,3%, deprimido por declarações mais sombrias dos bancos centrais do Canadá e Japão, e por dados econômicos fracos da Coréia do Sul.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Gustavo Kahil - 25/04/2019 - 11:44

Cotações Crypto
Pela Web