Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Europa: Natixis cai novamente com nervosismo sobre a liquidez do fundo

21/06/2019 - 9:03
Investidor europeu se tornou receoso a riscos devido a crise de 2008, afirma colunista

Por Geoffrey Smith/Investing.com

Um dos legados da última crise financeira tem sido a aguda sensibilidade dos investidores a qualquer coisa que cheire a risco de liquidez.

Ouro sobe próximo à marca de US$ 1.400; tensões no Irã aumentam

Essa sensibilidade tem sido plenamente visível na França nos últimos dois dias, onde o Natixis (PA:CNAT) caiu quase 12% após relatos de que tem mais exposição do que parece saudável aos títulos corporativos ilíquidos, a maioria deles foram emitidos por empresas ligadas a Lars Windhorst, um financista alemão com um passado duvidoso.

O banco de investimento francês e o gestor de ativos caíam mais 2,3% até o meio da manhã em Paris na sexta-feira, o pior desempenho de qualquer banco europeu, depois de uma teleconferência com investidores em que a administração tentou amenizar seus receios – aparentemente sem muito sucesso.

Por outro lado, a referência, o CAC 40 subia 0,5%, próximo a um novo recorde para o ano, à frente de todos os outros índices europeus, exceto o IBEX 35 da Espanha. Todos os mercados têm seguido os EUA em alta desde que o Federal Reserve sinalizou a disposição de cortar as taxas de juro se a economia dos EUA desacelerar ainda mais.

Os problemas da Natixis começaram na quarta-feira, quando o Financial Times divulgou que o braço de fundos H2O acumulou mais de 1,4 bilhão de euros (US$ 1,56 bilhão) em títulos emitidos por empresas controladas por Windhorst, espalhados por vários fundos. Eles ficaram muito piores na quinta-feira quando a enpresa de consultoria Morningstar suspendeu seu rating para um desses fundos, o Allegro, citando preocupações sobre a liquidez de algumas de suas participações.

As somas envolvidas podem parecer pequenas – a H2o Allegro Eur-r C tem apenas 2,26 bilhões de euros em ativos sob gestão, de acordo com dados compilados pelo Investing.com – mas as notícias chegam em um momento estranho.

São apenas duas semanas desde que Neil Woodford, um destacado selecionador de ações do Reino Unido, foi forçado a “abrir” um de seus principais fundos para protegê-lo contra uma queima de estoque de ativos para atender a pedidos de resgate. Woodford também havia feito apostas malsucedidas em ativos que se mostraram difíceis de vender. AHargreaves Lansdown (LON:HRGV), uma plataforma de investimento que promovera agressivamente os fundos da Woodford para investidores de varejo, caiu mais de 15% desde começo do mês.

Também faz menos de um ano desde a bem sucedida GAM (SIX:GAMH), o gestor de ativos com sede na Suíça, que fez do Bank Julius Baer, demitiu o gerente de fundos Tim Haywood e liquidou o Absolute Return Bond Fund passos errados semelhantes.

Mas a verdadeira razão pela qual o coração do mercado salta após tais incidentes é a lembrança de 2007, quando dois fundos obscuros da França de repente se depararam com problemas de liquidez, forçando o BCE a injetar liquidez no mercado monetário e marcando o início de um processo que terminaria com o colapso do Lehman Brothers um ano depois.

Não há sugestão de que os problemas de Natixis tenham alguma dimensão sistêmica. Mas a resposta ao incidente é um lembrete de quão frágil é o sentimento, por que depois tudo o S&P 500 dos EUA atingiu um novo recorde nesta quinta-feira.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Bruno Andrade - 21/06/2019 - 9:03

Cotações Crypto
Pela Web