Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Europa: Outro titã da bolsa de Londres se curva enquanto Dudley deixa a BP

04/10/2019 - 11:33
Euro Europa União Europeia
Depois do fracasso de seu antecessor, Tony Hayward, em reconhecer a gravidade da situação, Dudley reconheceu a responsabilidade da BP  (Imagem: Reuters/Dado Ruvic)

Por Geoffrey Smith/Investing.com

Parafraseando Oscar Wilde, perder um respeitado CEO da FTSE 100 pode ser considerado um infortúnio, mas perder três em uma semana é suficiente para levar qualquer teórico da conspiração do Brexit a espasmos.

Bob Dudley está deixando o cargo de diretor executivo na BP (LON:BP) depois de quase uma década no cargo, apenas um dia depois que a chefe mais antiga da Big Tobacco, Alison Cooper, ser expulsa da Imperial Brands (LON:IMB) e três dias depois que Dave Lewis anunciou que deixaria a gigante dos supermercados Tesco (LON:TSCO) no próximo verão.

A partida de Dudley tem muito mais em comum com a de Lewis do que com a de Cooper. Como Lewis, ele assumiu o controle em um momento de crise sem precedentes e, como Lewis, conseguiu estabilizar o navio e reverter a questão, se com (outro paralelo com o salvador de Tesco um impulso menos óbvio do que antes: as ações têm apenas um modesto aumento de 4% nos últimos três anos.

No caso de Dudley, a crise foi o desastre do Deepwater Horizon, que matou 11 pessoas e criou a maior catástrofe ambiental relacionada ao petróleo da história. Depois do fracasso de seu antecessor, Tony Hayward, em reconhecer a gravidade da situação, Dudley reconheceu a responsabilidade da BP e, embora defendesse os interesses de seus acionistas legitimamente no tribunal, cumpriu com graça suficiente para pelo menos garantir que a empresa possa continuar operando nos EUA, seu mercado mais importante. Se ele não tivesse feito isso, é difícil ver como a BP teria permissão para comprar os ativos de xisto da BHP Billiton nos EUA, como fez por US$ 10,5 bilhões no ano passado.

É difícil argumentar com a declaração da empresa na sexta-feira de manhã que Dudley “reconstruiu a BP como uma empresa mais forte e segura … Esta empresa e, de fato, toda a indústria, tem uma dívida de gratidão”.

Sua administração do caso Deepwater Horizon ofuscou, inevitavelmente, suas outras realizações, em nenhum lugar mais do que na Rússia. Aqui, Dudley criou uma virtude por necessidade, vendendo sua participação de joint venture em uma avaliação de topo do ciclo para arrecadar dinheiro para cobrir os passivos em águas profundas. Ele foi forçado a ceder o controle direto da melhor vaca leiteira da empresa, mas ainda mantinha um relacionamento profundo e estreito com a Rosneft – incluindo uma participação de 19,75% que possui um enorme valor latente, se a Rússia estiver inclinada a substituir sua atual administração por outra mais esclarecida.

Um outro paralelo com a Tesco – que não deve ser subestimado – é que a sucessão foi novamente planejada sem problemas, com um sucessor escolhido a dedo – o chefe de operações a montante Bernard Looney – já em vigor. A principal diferença aqui é que Looney é um perito da BP, enquanto Tesco foi atrás de Ken Murphy, da Walgreens. Manter um especialista upstream no topo vai contra a tendência atualmente mas em questões de Big Oil, mas faz muito sentido no caso da BP, dada a singularidade do legado do Deepwater Horizon.

As ações da BP aumentavam 1,1% em um dia em que a maioria dos índices de ações europeus se contentava em aguardar o relatório mensal das folhas de pagamento dos EUA. O FTSE 100 subia 0,3%, enquanto o Stoxx 600 subia 0,1%.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Vitória Fernandes - 04/10/2019 - 11:33