Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Europa: Ações da Philips disparam e mostram maior alta em 18 anos

22/07/2019 - 8:34
philips
Ações da companhia atingiram a maior alta em 18 anos nesta sessão (Imagem: Facebook philips)

Por Geoffrey Smith/Investing.com 

Os benefícios de dividir um conglomerado e focar no que você faz melhor, onde as oportunidades são maiores, raramente foram mais claros.

A blue-chip holandesa Koninklijke Philips (PHG) completou uma jornada de oito anos na qual dispensou uma série de negócios de baixo desempenho ou com deficiências estruturais – de aparelhos domésticos como TVs a lâmpadas e sensores para a indústria automobilística. Agora, ele está totalmente focado em seus negócios de dispositivos médicos e serviços – e a estratégia está valendo a pena.

As ações da empresa atingiram a maior alta em 18 anos na segunda-feira, após ter anunciado um sólido segundo trimestre, e confirmaram sua orientação para o ano em meio a uma desaceleração global na indústria. As vendas comparáveis aumentaram 6% – mais do que os 4,5% esperados – e a entrada de pedidos aumentou 8%. Esta não é uma conquista nada ruim em um momento em que os índices de compras dos fabricantes e as pesquisas de negócios estão piscando em vermelho nos mercados desenvolvidos e emergentes.

As vendas na China, notadamente, cresceram mais de 10%.

O CEO Frans van Houten disse que espera que o desempenho melhore no segundo semestre e reiterou a meta da empresa de melhorar sua margem operacional principal (EBITA) em uma média de 100 pontos base no período de 2017-2020.

As ações da Phillips sobem 4,3% no meio da manhã em Amsterdã, liderando tanto o mercado local quanto o Euro Stoxx 50. A referência, o Stoxx 600 avança 0,13% em um dia geralmente sem brilho, enquanto o FTSE 100 do Reino Unido sobe 0,38% e o alemão Dax em alta de 0,26%.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Mas a Philips não está imune às conseqüências da guerra comercial EUA-China. Com efeito, o seu mercado interno da Europa representa menos de um quarto das vendas.

Seu mercado de crescimento mais rápido é a China, e qualquer desaceleração ampla na economia pode colocar em risco o objetivo da governança de lançar melhores serviços de saúde. Além disso, também está em risco a partir da próxima rodada planejada de tarifas americanas contra a China, dado que os dispositivos que fabrica na China para o mercado dos EUA seria atingido por eles. Van Houten disse à Reuters que as tarifas planejadas cortariam outros 20 milhões de euros (US$ 23 milhões) dos lucros do núcleo, além dos 45 milhões de euros já perdidos em relação às tarifas anteriores – se entrarem em vigor.

Leia mais sobre: Ações, Europa, Internacional, Mercados

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 22/07/2019 - 8:52

Visto do Reino Unido? Só para “os mais brilhantes do mundo”