Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Felipe Miranda: Democratize primeiro; critique depois — Aula prática de convexidade

19/03/2019 - 10:46

Por Felipe Miranda CEO da Empiricus Research 

Na quarta-feira passada, almocei com a Luciana Seabra e um brilhante ex-diretor da B3, da época em que ainda era B1. Cabelos brancos, alma jovem, cabeça privilegiada.

Este especialista indica qual é o grupo de ações que se beneficia da MegaOnda de valorização que vai atingir os mercados

Ele disse assim, ipsis verbis (a Lu não me deixa mentir sozinho): “Foi um golaço vocês terem trazido a Angela Bittencourt. Se a Angela for na Bolsa, nego estende tapete vermelho pra ela. Quer dizer, a atual diretoria não sei. A turma é nova. Mas se o Edemir vir a Angela, ele para tudo que está fazendo e vai falar com ela.

A Angela é uma instituição na Bolsa. Ela ensinou o mercado a operar DI, quando ninguém sabia direito o que era isso. Tanto que ganhou da Bolsa uma jaqueta de operador com o nome dela — e ela nunca foi operadora, claro.”

Então, pedi pra Angela contar essa história. Mais do que isso, para elucidar a dinâmica e a evolução dos mercados futuros por essas bandas. Num primeiro momento, ela resistiu. Desviou o assunto. Falou que não se lembrava, que nem era tão importante assim. No final, topou. No final, ela sempre topa — diz que tem medo de mim; não conta pra ela, mas é recíproco.

Fui saber depois que a tal jaqueta foi roubada num assalto. As vestes se foram, os conhecimentos ficaram.

Fechada nos últimos 10 meses, agora está reaberta, por tempo limitado. Veja como é possível ter 5 anos de lucro na Bolsa em apenas uma operação de curto prazo

Abaixo, você encontra uma aula sobre mercados futuros, quase um documento histórico. Como desdobramento, quem sabe a B3 não se anima em lançar minicontratos de DI. Seria um golaço e ajudaria nessa nossa jornada de democratização de outros instrumentos financeiros para a pessoa física — brevíssima digressão: Bettina será responsável por quantos novos cadastros na B3?

Então, bora lá. Depois do texto da Angela, eu escrevo as rotineiras bobagens do dia.

ANTES DE IR À PRAIA, PASSE NA BM&F

Em dezembro, é batata! Não importa se a mulher do tempo diz que o verão vai ser chuvoso, com raios e trovoadas, as crianças querem ir à praia. Mas esse momento-delícia não sai de graça. A gente paga literalmente um pedágio, além daquele da estrada, claro. Minha esposa não arreda os pés de casa antes do “amigo oculto” e da ceia do Natal, que a minha sogra quer que este ano seja (de novo!) lá em casa.

Você acha que estou colocando o carro na frente dos bois porque o Natal está longe? Não estou, não. Já, já é fim de março e estará na hora de planejar as despesas do fim do ano. E como você sabe, a despesa não é pouca. A família é grande. Não do meu lado! Mas tenho um bando de cunhados, cunhadas, sobrinhos e agregados… E tem as férias na praia…

Quem nunca passou por esse aperto e agradeceu aos céus por ter aquele dinheiro guardado num fundo de renda fixa para emergências? Aquela aplicação básica em título público ou privado que quebra o maior galho?

Não sei se você sabe, mas esse dinheiro aí, que até pode parecer pequeno, é protegido por uma engrenagem para lá de sofisticada, que existe em vários países do mundo, e, no Brasil, foi criada há 30 anos: o mercado futuro de juros.

É nesse mercado que se calcula quanto se pode ganhar com uma aplicação financeira ou quanto vai custar o crédito no fim deste ano, do próximo ou em 2030, quando você poderá estar se casando ou à espera da cegonha.10

O mercado futuro de juros ou de depósito interfinanceiro (DI), como é mais conhecido, é uma ajuda e tanto para prever despesas, além do retorno de investimentos. É muito útil, mas teve um parto demorado. Nasceu só em 1991, cinco anos depois da estreia da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F).

Nem sei se você já tinha nascido. Em 1986, o meu segundo filho, o Júlio, aquele que guarda dinheiro no pote de vidro na cozinha, tinha 1 aninho. Tenho certeza de que a vida dele e também a sua têm sido influenciadas pelos mercados futuros.

Ao longo dos anos, esses mercados que ajudam a antecipar preços foram uma mão na roda para o governo. Eles contribuíram para que muitas medidas anunciadas valessem na prática. Serviram até para que algumas decisões – e a insegurança por elas provocadas – não atrapalhassem demais os brasileiros.

Três décadas se passaram e, hoje, tanto a Bovespa quanto a BM&F são segmentos da B3. A primeira negocia ações no mercado à vista e, a segunda, contratos futuros (também chamados de derivativos) de ativos financeiros ou produtos.

Parece esquisito, mas no mercado futuro é rara a possibilidade de se comprar alguma coisa e levar para casa porque ali se negocia o quanto algo pode custar dentro de alguns meses ou até anos – no futuro.

A B3 fica em São Paulo e é tratada como uma Bolsa, embora ela seja mais que isso.

Batizada com 3 “Bs” — B de Brasil, B de Bolsa e B de Balcão —, a B3 é uma das principais empresas de infraestrutura de mercado financeiro no mundo. E atua na criação e administração de sistemas de negociação, compensação, liquidação, depósito e registro para ações, taxa de juro, títulos de empresas, moedas e mercadorias.

A B3 surgiu no formato atual em 2017, após a fusão entre a BM&FBovespa e a Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip). A BM&FBovespa nasceu quase dez anos antes, em 2008, como resultado de outra fusão: a da Bovespa com a BM&F.

O Índice Bovespa, o mais conhecido do mercado acionário brasileiro, ganhou uma cópia quando a BM&F começou a funcionar, em janeiro de 1986. O Ibovespa Futuro — irmão do índice à vista — tornou-se uma estrela. Naquele momento, era visto como um ativo moderno, mas o volume nele movimentado não teve o crescimento exuberante do contrato futuro de DI, que explodiu a partir de 1994, com o Plano Real.

Os contratos de DI derraparam muitas vezes até engatarem a primeira marcha. Ora batiam de frente com a inflação em sua espiral ascendente, ora desentendiam-se com a moeda nacional, que mudou de identidade mais de uma vez em pouco tempo até ser criado o real (que vale até hoje). Essa aí que você deve ter na carteira… Assim espero!

No Brasil, um país onde o governo era e é o maior tomador de dinheiro de investidores e com um histórico de inflação gigante na maior parte de sua história econômica, o sucesso do contrato de juro era certo. Esse mercado ganhou tração e tornou-se o mais negociado na B3.

Para dar uma ideia da dimensão desse mercado sobre os demais, em um único dia da semana passada a BM&F movimentou um total de 254 bilhões de reais (67 bilhões de dólares). Nesse dia, os contratos de DI responderam por 176 bilhões (46 bilhões de dólares) e o Ibovespa Futuro por 13,7 bilhões de reais (3,6 bilhões de dólares).

O receio de que o mercado futuro de DI possa encolher ou ser de alguma maneira prejudicado porque a inflação brasileira hoje é incomparavelmente menor que a dos anos de 1980 e 1990 é uma bobagem, afirma o administrador de um importante fundo de investimentos com quem conversei na semana passada.

Avesso a entrevistas, esse executivo prefere manter o anonimato, mas disse acreditar que a estabilização dos preços tende, inclusive, a aumentar o volume de negócios com juros futuros. Isso aconteceu em outros países que tiveram períodos de inflação alta e que também viveram processos bem-sucedidos de estabilização.

“O mercado de juros é o mais importante do mundo. E os contratos futuros não servem apenas aos aplicadores que querem estimar o quanto vão receber de juro real no vencimento de operações. O futuro de juro serve para que se faça ‘hedge’ de operações de crédito”, lembra o meu interlocutor.

Não tenha dúvida, portanto, que os mercados futuros continuarão a ter influência sobre sua vida, tenha você a idade que tiver. Outros contratos poderão ser criados, inclusive na BM&F para atender às necessidades do investidor pessoa física.

Essa é a expectativa do meu colega aqui da Empiricus, Luiz Rogé, que é um especialista em renda fixa.

Você deve saber quem é o Rogé. Ele trabalha aqui há muito mais tempo que eu, que comecei dez dias atrás, e é muito respeitado por quem entende (e muito) sobre taxa de juro.

Leia abaixo a sugestão de Luiz Rogé sobre o ativo que pode ser criado pela BM&F.

O MINICONTRATO QUE FALTA NA PRATELEIRA

A B3 negocia há muitos anos, e com bastante sucesso, o minicontrato futuro de índice Ibovespa, em que cada ponto de oscilação do índice resulta em uma variação de 20 centavos frente a 1 real do contrato padrão. É um contrato voltado para o pequeno investidor pessoa física.

Na mesma linha, a B3 também negocia o minicontrato futuro de dólar, que tem um tamanho de 10 mil dólares, cinco vezes menor do que o contrato padrão de futuro de dólar, que é de 50 mil dólares.

Dá para notar por esses dois exemplos que a B3 procura adequar o tamanho dos minicontratos futuros, ou o valor em reais de sua oscilação, ao porte da pessoa física para viabilizar a sua entrada no mercado.

Dessa forma, ela consegue dimensionar a capacidade financeira do pequeno investidor (ou especulador) ao seu mercado de seu interesse, tornando possível que ele venha a se utilizar desse mercado da mesma forma que o grande investidor (ou especulador) o faz.

No entanto, acredito que falta para a B3 lançar um ativo muito importante: o de minicontrato de DI, mercado onde se negocia o futuro de taxas de juros.

Atualmente, esse mercado só é acessível aos grandes investidores (bancos, investidores institucionais como fundos de investimento, seguradoras, etc.), dado o tamanho de seu contrato padrão, que é de 100 mil reais de valor de resgate, na data de seu vencimento.

O contrato futuro de DI funciona como uma “aposta” entre duas pessoas na qual , de um lado, tem uma pessoa que aposta na queda da taxa de juros prefixada, e do outro, existe alguém que aposta no contrário — na alta dos juros até a data de vencimento do contrato.

Importante lembrar que esse é um jogo controlado pela B3, que garante todas as operações. Assim, quem obteve ganhos nas operações realizadas com os futuros recebe o valor que ganhou, e quem sofreu perdas paga o prejuízo sofrido.

Por isso dizem que o “mercado futuro é um jogo de soma zero”, pois o valor ganho por uma pessoa corresponde exatamente à perda sofrida pela outra, a sua contraparte na “aposta”.

Por fim, com os minicontratos de DI seria possível viabilizar para a pessoa física muitos tipos de operações, especulativas ou de proteção (hedge) de suas aplicações. Dessa maneira, a existência desse mercado iria possibilitar, com certeza, uma gestão mais eficiente do patrimônio de renda fixa dessas pessoas.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Bruno Andrade - 19/03/2019 - 10:46

Cotações Crypto
Pela Web