Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Fórmula 1 dispara 41% na Nasdaq em 2021, mas roda nos negócios desde 2019

Márcio Juliboni
14/11/2021 - 14:53
Fórmula 1 da Red Bull
Corrida maluca: disparada das ações não reflete prejuízos sucessivos da Formula One Group (Imagem: Divulgação/ FIA)

Depois de um ano de ausência, devido à pandemia de coronavírus, a Fórmula 1 retorna ao Brasil neste domingo (14). A julgar pela lotação de 100% das arquibancadas de Interlagos e pelos altos índices de audiência da Bandeirantes, responsável pela transmissão desta temporada, o automobilismo voltou a acelerar o coração dos brasileiros.

Mas não são apenas os fãs que fizeram as pazes com a Fórmula 1 – o mercado financeiro também. É o que mostra a arrancada das ações da Formula One Group, a dona do campeonato e responsável por sua organização. Listados na Nasdaq com o código FWONA, os papéis acumulam uma alta de 41% neste ano.

A disparada reflete a gradual volta à normalidade do campeonato, após os carros ficarem praticamente 2020 inteiro fora das pistas, devido ao pico da pandemia de Covid-19.

Para se ter uma ideia do impacto do coronavírus sobre os papéis da Formula One Group, basta observar sua trajetória no ano passado. Após acumular uma alta de 47% em 2019, a ação abriu 2020 cotada em US$ 44,02. Na largada do ano, acelerou até os US$ 46,08 em apenas 22 dias e cravou sua melhor marca no ano.

A partir daí, as primeiras notícias de casos de coronavírus na China e, posteriormente, a confirmação de que o mundo vivia uma pandemia derreteram o papel. Em 18 de março, a ação valia apenas US$ 18,08 – um tombo de 61% sobre o pico de janeiro. A partir daí, a ação se recuperou gradualmente, até encerrar o ano em US$ 37,99.

Torcida cativa

No que se refere aos investidores, parece haver muito mais torcida do que fatos em sua aposta na Formula One Group. Isto porque, a empresa é uma campeã em prejuízos no mundo dos negócios – e não apenas devido à pandemia.

A companhia fechou 2019, último ano “normal” no mundo, com prejuízo operacional de US$ 35 milhões, apesar da receita de US$ 2 bilhões. Em 2020, as perdas chegaram a US$ 444 milhões, com receita de US$ 1,1 bilhão. Neste ano, a Formula One Group acumula prejuízo de US$ 8 milhões até o terceiro trimestre, com receita de US$ 1,3 bilhão.

É verdade que, quando se considera apenas o intervalo de julho a setembro, a empresa reportou US$ 68 milhões em lucro operacional. Foi o primeiro resultado trimestral positivo, após sete trimestres consecutivos no vermelho. Será que, depois de tanto tempo andando na lanterninha, a Formula One Group vai reagir também fora das pistas?

Veja o relatório de resultados da Liberty Media Corporation, controladora da Formula One Group.

 

Última atualização por Márcio Juliboni - 14/11/2021 - 15:24

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web