Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Funcionários da IBM aguardam números sobre demissões

01/06/2020 - 18:08
IBM Empresas Tecnologia
“Todo mundo quer saber qual é o cenário geral, mas nunca o receberá da IBM”, disse James Cortada (Imagem: Reprodução/IBM)

O novo diretor-presidente da IBM, Arvind Krishna, deu continuidade a uma tradição atípica da empresa ao não divulgar a escala da mais recente rodada de cortes de empregos.

O preço: a especulação sobre milhares de cargos eliminados nos EUA no mês passado e maior ansiedade entre funcionários.

“Todo mundo quer saber qual é o cenário geral, mas nunca o receberá da IBM”, disse James Cortada, que trabalhou décadas na IBM e escreveu livros sobre a cultura da empresa.

A International Business Machines manteve o controle sobre esses números por décadas, com exceção de 1993, quando Lou Gerstner, um CEO contratado de fora da empresa, anunciou 60 mil demissões.

Quando Krishna assumiu o comando em abril, Cortada e funcionários atuais esperavam que o novo CEO usasse a reorganização para deixar sua marca e ser mais transparente quando a IBM entra em sua terceira revolução em 108 anos. No entanto, Krishna, um veterano da empresa, segue o roteiro.

O porta-voz da IBM, Ed Barbini, disse que a empresa não divulgará o número total de demissões por razões de concorrência.

“O trabalho da IBM em um mercado altamente competitivo exige flexibilidade para um constante ‘remix’ para habilidades de alto valor, e nossas decisões sobre a força de trabalho são tomadas no interesse de longo prazo de nossos negócios”, escreveu em comunicado por e-mail. “Reconhecendo as condições atuais únicas, a IBM está oferecendo cobertura médica subsidiada a todos os funcionários afetados nos EUA até junho de 2021.”

Muitas outras empresas de tecnologia divulgam dados sobre demissões. Quando a HP contratou um novo CEO no ano passado, a fabricante de computadores pessoais disse que cortaria até 9 mil empregos. Algumas semanas depois, a Cognizant, rival da IBM, anunciou planos para eliminar 7 mil posições.

Neste ano, Uber Technologies, Airbnb e TripAdvisor divulgaram números impressionantes de demissões.

“Muitas empresas estão demitindo pessoas hoje. Quanto mais francos forem sobre isso, melhor”, afirmou Ronn Torossian, diretor-presidente da empresa de comunicações 5WPR, que representa muitas empresas da Fortune 500.

Cerca de 90% das empresas representadas pela 5WPR divulgam um valor aproximado no que diz respeito a grandes reduções na força de trabalho. “É um erro pensar que você pode demitir milhares de pessoas e não responder a perguntas”, disse ele. “E não é apenas a mídia que faz perguntas – são investidores, funcionários e clientes restantes”.

Fazer demissões é sempre um assunto delicado. Isso é especialmente verdade para a IBM. A empresa possui cerca de 350 mil empregados globalmente, mas a força de trabalho doméstica vem diminuindo, enquanto contratações foram feitas em países de menor custo na Ásia e Europa Oriental.

Isso expõe a empresa a críticas e pressões políticas, especialmente do presidente Donald Trump, que pressiona por mais empregos nos EUA.

No vazio de informações da IBM, trabalhadores especulam ansiosamente sobre o escopo da reestruturação. Vários funcionários impactados disseram que perguntaram aos gerentes quantos colegas perderam o emprego e disseram que não tiveram acesso a essas informações.

Bruce Baumbush foi dispensado após 22 anos na chamada Big Blue. “Metade do meu departamento desapareceu”, disse em entrevista. “Milhares de pessoas foram impactadas.”

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 01/06/2020 - 18:08