Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Fundo vê desafios para minério de ferro e exclui Rio Tinto

29/06/2021 - 7:30
Mineração
A decisão de excluir a mineradora ocorre apesar dos preços do minério estarem em níveis historicamente altos, acima de US$ 200 a tonelada (Imagem: Pixabay/stafichukanatoly)

O gigante de investimentos T. Rowe Price excluiu a Rio Tinto de seu Australian Equity Fund pela primeira vez, citando os crescentes obstáculos no mercado global de minério de ferro.

A decisão de excluir a mineradora ocorre apesar dos preços do minério estarem em níveis historicamente altos, acima de US$ 200 a tonelada, e menos de dois meses depois de atingirem recorde, aumentando os lucros da Rio Tinto e de rivais como BHP e Fortescue Metals.

O mercado atingiu o pico com o aumento da oferta do Brasil e crescimento mais moderado na China, o que deve provocar retração no restante do ano, disse Tom Shelmerdine, analista de investimentos do T. Rowe Price.

A Fortescue Metals também foi excluída do fundo, aberto há dez anos e que registrou retorno anualizado de 8,14% nos últimos três anos, disse.

“Não temos nenhuma exposição direta com foco exclusivo no minério de ferro no portfólio no momento”, disse Shelmerdine em entrevista. No entanto, o fundo australiano ainda detém algumas ações da BHP, o que oferece uma exposição mais diversificada ao metal, disse

A campanha de descarbonização da China também terá impacto sobre exportadores de minério no longo prazo, em parte por incentivar o maior uso de sucata pela indústria do aço, disse Shelmerdine. Nesse contexto, os esforços das mineradoras para diversificar foram inteligentes, destacou.

“Pela mesma razão que a Fortescue busca entrar em energias renováveis por meio da Fortescue Future Industries, a Rio vai tentar reimplantar capital em áreas como o cobre e está olhando para Jadar, que é um projeto de lítio na Sérvia. Acho que veremos muito mais disso com a Rio.”

Shelmerdine disse estar otimista com as perspectivas de matérias-primas essenciais para baterias, como cobre, níquel e lítio, à medida que a transição para a energia limpa ganha força.

“Estamos muito otimistas do lado da demanda por cobre no médio prazo e manifestamos isso por meio de nosso portfólio”, disse. Parte disso é por meio da exposição à BHP, bem como à OZ Minerals, que tem um grupo de ativos australianos na parte mais baixa da curva de custo, explicou Shelmerdine.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 29/06/2021 - 7:31

Cotações Crypto
Pela Web