ImóvelTimes

Fundos imobiliários: Ifix tem fevereiro inesquecível e comemora tetra; XPPR11 dispara e HCTR11 desaba

29 fev 2024, 18:59 - atualizado em 01 mar 2024, 17:27
fundos imobiliários fiis ifix índice fevereiro
Índice de fundos imobiliários volta a subir no último dia de fevereiro e engata quarta alta mensal; FIIs de tijolo são destaque (Imagem: Diana Grytsku)

Um mês para entrar na história. É assim que fevereiro termina para o índice de fundos imobiliários (Ifix) da B3 após atingir sucessivas máximas histórias, até chegar ao recorde de 3.363 pontos no começo desta semana.

No fechamento do pregão extra de 2024, ano bissexto, o Ifix interrompeu três dias de queda e subiu 0,50% (após ajustes) nesta quinta-feira (29), aos 3.360 pontos.



Em dia de ajustes de carteiras de investimentos, o JS Real Estate Multigestão (JSRE11) liderou os ganhos entre os mais de 100 FIIs listados (+2,18%).

Por outro lado, o JS Ativos Financeiros (JSAF11) registrou a maior queda do dia, de 4,18%.

Destaques do mês

Com os ganhos de hoje, o Ifix fecha o mês de recordes em alta de 0,79%, engatando quatro meses seguidos de valorização. Desta forma, no ano, o índice sobe 1,47%.

Dois FIIs dividiram o protagonismo em fevereiro. O XP Properties (XPPR11) que, após ficar no top 5 de janeiro, levou o pódio ao saltar mais de 20%.

Fundos imobiliários x imóveis para investir: Quando os FIIs são mais vantajosos?

O segundo melhor desempenho ficou com o BTG Pactual Terras Agrícolas (BTRA11), que disparou 18%, revertendo o tombo de 17% no mês passado.

Por outro lado, os fundos imobiliários Hectare CE (HCTR11) e Autonomy Edifícios Corporativos (AIEC11), lideraram as perdas este mês, com tombos de 20% e de quase 10%, respectivamente.

*As cotações citadas são do site Investing.com

Repórter
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin