Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Futuro de Veneza encurralado entre turistas e maré alta

29/11/2019 - 17:05
A cidade – espalhada por mais de 100 pequenas ilhas na lagoa veneziana – atraiu cerca de 30 milhões de visitantes este ano (Imagem: Pixabay)

Duas semanas após a maré alta e fortes ventos produzirem as piores inundações em Veneza em mais de meio século, as sirenes tocam por volta das 6h30 da manhã para alertar moradores cansados ​ que a “acqua alta” está chegando novamente.

Menos de duas horas depois, plataformas temporárias de madeira estão disponíveis para permitir que os pedestres se movam pelas antigas ruas de paralelepípedos. Vendedores que vendem botas de chuva baratas aparecem do nada para atender turistas despreparados.

Sergio Boldrin, um dos mais renomados fabricantes de máscaras de Veneza, está acostumado ao ritual. Mas as inundações não são o único sinal de decadência. A sensação na cidade é de que a mudança climática está acelerando um declínio que começou com o turismo de massa.

Veneza Itália Turismo
Filho de um gondoleiro, Boldrin é uma encarnação viva da tradição veneziana (Imagem: Liubov Ilchuk/Unsplash)

“A cidade ficou feia. Perdeu a alma”, disse Boldrin, enquanto recebe visitas de clientes que entram na loja, mas não compram suas máscaras, que podem custar até 1.000 euros (US$ 1.100 dólares). “Essas pessoas simplesmente não reconhecem sua verdadeira beleza.”

Filho de um gondoleiro, Boldrin é uma encarnação viva da tradição veneziana. Do banquinho de seu pequeno ateliê Bottega dei Mascareri, perto da famosa Ponte de Rialto, o artesão de 62 anos vê uma série de pequenos estandes cobertos de lona vendendo bugigangas baratas, incluindo imitações de plástico e cerâmica de baixa qualidade de suas máscaras por apenas 10 euros.

A cidade – espalhada por mais de 100 pequenas ilhas na lagoa veneziana – atraiu cerca de 30 milhões de visitantes este ano. As multidões consomem recursos, mas fornecem pouco valor para a economia local.

Três quartos dos turistas ficam apenas algumas horas e gastam em média 13 euros em souvenires, de acordo com uma pesquisa da Confartigianato Venezia, uma associação de empresas locais.

Os artesãos se esforçam para competir com o influxo de produtos mais baratos fabricados no exterior, e muitos não podem pagar aluguéis que dispararam com a especulação imobiliária. O número de artesãos qualificados na área histórica da cidade caiu pela metade desde a década de 1970, para cerca de 1.100 em 2018.

“Muito disso é mudança geracional”, disse Enrico Vettore, do Confartigianato Venezia. “Muitas vezes não há ninguém em uma família que possa assumir o negócio”, mas também há a falta de demanda, pois os turistas “não compram produtos artesanais autênticos”.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Renan Dantas - 29/11/2019 - 17:05