Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Genial prepara site pago de indicações e vê Ibovespa em 150 mil pontos

05/11/2018 - 15:42

Por Arena do Pavini – A Genial Investimentos, antiga corretora Geração Futuro, quer aproveitar a nova onda de alta da bolsa e a perspectiva de juros ainda baixos para investir e atrair mais investidores insatisfeitos com seus bancos de varejo. Para isso, mudou a logomarca e fechou um acordo com o tenista tricampeão mundial de Roland-Garros, Gustavo Kuerten, o Guga, para ser o garoto-propaganda da primeira campanha publicitária da corretora, com foco na divulgação da educação financeira para o grande público.

Segundo Evandro Pereira, co-presidente da Genial, a corretora concluiu o processo de transformação de uma plataforma fechada para uma completa para o varejo, com foco na parte digital. “Concluímos os investimentos e organizamos nossos processos de vendas e queremos agora dobrar o número de clientes todo ano nos próximos três anos”, diz. Hoje, a Genial conta com 150 mil clientes ativos e o objetivo é chegar a 1 milhão até 2022. A plataforma, que pertence ao grupo Brasil Plural, em hoje R$ 21 bilhões sob custódia. A campanha será inicialmente digital e, no ano que vem, deve ir para a televisão.

Guga vê chance de educar e participar de corretora

A ideia de trabalhar com o mercado financeiro já vem há alguns anos e as conversas com a Genial começaram  há um ano e meio, diz Guga. Ele se diz um privilegiado pois, após 21 anos de carreira e 10 de aposentadoria das competições, ainda provocar a vibração nas pessoas e ter a oportunidade de fazer esse tipo de trabalho de divulgação de interesse do público. “Nós tivemos em casa uma educação sobre como lidar com nossas finanças desde muito cedo e queremos agora ajudar as pessoas a aprender a forma mais justa de se relacionar com o dinheiro”, explica.

Além de garoto-propaganda, Guga e suas empresas terão uma opção para se tornarem sócios da Genial Investimentos. O grupo já é cliente da Brasil Plural e vê agora uma oportunidade de desenvolver um projeto que tem um lado educacional e também financeiro interessante, dizem Guga e seu irmão, Rafa, que cuida dos negócios da família. Eles não quiseram comentar qual o valor da participação.

Produtos caros e ruins para o varejo

A corretora aposta na qualidade dos produtos e na especialização do grupo Brasil Plural para crescer, afirma Rodolfo Riechert, sócio do grupo, formado por ex-executivos de grandes bancos de investimentos. “Quando trabalhávamos nos bancos, víamos os clientes de varejo investindo em produtos com altas taxas e retornos muito baixos e comentávamos como elas compravam essas aplicações tão ruins e tão caras”, diz Riechert. “Assim, como sabemos montar bons produtos de investimentos para clientes sofisticados, podemos agora trazer esse mesmo DNA de qualidade para o cliente de varejo”, diz. Segundo o executivo, 95% dos clientes ainda estão nos bancos e devem migrar para as plataformas de investimento independentes, como já ocorre com alguns casos de sucesso. “Queremos ajudar as pessoas que não entendem de investimentos a montar uma poupança de longo prazo oferecendo o diferencial de produtos mais sofisticados e acessíveis”, explica.

Corretagem zero e indicações financeiras pagas

Um dos principais problemas hoje na concorrência com os bancos não é a isenção que as grandes instituições passaram a oferecer, afirma Claudio Pracownik, também co-presidente da Genial, mas a dificuldade em transferir a custódia dos ativos para a corretora. “Tem instituição que pede até documento com firma reconhecida em cartório”, diz. Já a redução das taxas é tendência internacional e deve ser compensada pela cobrança de outros serviços, como a consultoria financeira. “Devemos montar um serviço pago de consultoria financeira, um site, que terá notícias e diferentes tipos de pacotes que o cliente poderá assinar para saber as indicações de investimentos de nossa equipe especializada e cursos”, diz Evandro Pereira. Nesses pacotes devem entrar as análises de empresas feitas pela equipe de analistas da corretora e do banco Brasil Plural.

“O custo não pode ser zero, alguma cobrança o investidor vai ter, mas é bom lembrar que nem sempre o custo mais baixo é o melhor para o cliente”, afirma Riechert. “O preço tem de ser justo para o cliente e para o prestador de serviços.”

Ibovespa deve caminhar para 150 mil pontos

Para Riechert, o momento é o melhor possível para o investimento em bolsa de valores. “A bolsa é o melhor ativo no momento e o investidor ainda pode aproveitar muito isso”, diz. Segundo ele, o Brasil Plural está muito animado com o mercado de ações e a recomendação é aumentar a exposição em bolsa, diretamente ou via fundos de ações ou multimercados. “Acreditamos que é uma oportunidade pois vemos os juros se mantendo baixos ou até caindo mais e a economia brasileira crescendo, levando ao crescimento das empresa também e a bolsa é a forma de o investidor aproveitar esse desempenho”, diz. Segundo o executivo, apesar de o Índice Bovespa estar em sua máxima histórica em termos nomianis, aos 87 mil pontos, o mercado ainda tem muito espaço para subir. “Corrigido pela inflação, o pico histórico do Ibovespa seria em 150 mil pontos, e é para lá que o mercado vai, nós acreditamos”, diz. “Achamos que o mercado ainda está longe do pico que as ações das empresas podem ter”, afirma.

Ele vê oportunidades também em outros ativos beneficiados pela economia, como os fundos imobiliários, e diz que a Genial vai incentivar a diversificação das aplicações. “Não acreditamos também em aplicar somente em ativos de risco”, diz.

Conversão de clientes sobe 70%

Segundo Evandro Pereira,  já houve um aumento da procura pela corretora. “As conversões de clientes, quando aquele que abre a conta e faz o cadastro começa a operar, subiu 70% em outubro em relação a setembro”, disse.

 

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Gustavo Kahil - 05/11/2018 - 15:42