Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Gestores estão ignorando a economia? Fundos se recusam de desistir de ações, mesmo com riscos crescentes

14/09/2021 - 14:31
A perspectiva de crescimento e lucros globais em setembro caiu para o nível mais baixo em mais de um ano, de acordo com a pesquisa realizada de 3 a 9 de setembro (Imagem: REUTERS/Andrew Kelly)

O mercado enfrenta uma anomalia peculiar: os gestores de fundos estão rapidamente ficando mais amargurados com o crescimento global e os lucros em meio a uma enxurrada de riscos, mas se recusam a desistir das ações, de acordo com a última pesquisa do Bank of America Corp.

“A rara desconexão entre os preços dos ativos e os fundamentos da pesquisa de gestores de fundos está crescendo”, segundo nota dos estrategistas do BofA liderados por Michael Hartnett nesta terça-feira.

“As expectativas de crescimento apontam que as alocações de ações devem cair, mas a busca por riscos conta uma história de que os investidores estão ignorando o macro.”

A perspectiva de crescimento e lucros globais em setembro caiu para o nível mais baixo em mais de um ano, de acordo com a pesquisa realizada de 3 a 9 de setembro.

No entanto, a alocação dos investidores em ações caiu apenas ligeiramente para 50% da participação detida pelos entrevistados e a fatia de riscos acima do normal aumentou para 9%. Títulos permaneceram impopulares com um líquido de 69% underweight, disse o BofA.

O motivo desse posicionamento no mercado? Os estrategistas do BofA dizem que uma queda no otimismo macroeconômico é uma boa notícia para as ações, pois sinaliza que os juros mais baixos permanecerão por mais tempo, fazendo com que não haja alternativa às ações em meio à falta de apetite por títulos.

E embora 84% dos entrevistados prevejam que o Federal Reserve dos EUA sinalizará uma redução gradual até o final do ano, as expectativas para o momento do primeiro aumento da taxa de juros foram adiadas para algum momento a partir de novembro de 2022 para a partir de fevereiro de 2023.

Embora muitos dos principais gestores de fundos permaneçam investidos em ações, o sentimento de risco foi esfriando em setembro, com o S&P 500 em rumo para primeira queda em oito meses. As preocupações com a diminuição do estímulo, surtos de Covid-19 e as repressões da China têm pesado no clima.

Ainda assim, de acordo com a pesquisa do BofA, a proporção de investidores fazendo hedge para uma queda acentuada nas ações nos próximos três meses é a menor desde janeiro de 2018. E 67% dos entrevistados vêem a liquidez do mercado atual como positiva, o percentual mais elevado desde um pouco antes da crise financeira global de 2008.

Outros destaques da pesquisa incluem:

  • A pesquisa BofA incluiu 232 participantes com US$ 807 bilhões em ativos sob gestão globalmente
  • Posição comprada em ações de tecnologia dos EUA são as mais congestionadas, com 40%, seguidas por posições compradas em ESG (20%) e em ações da China (11%)
  • Em comparação com agosto, os investidores em setembro mudaram para ações japonesas, produtos básicos, industriais, matérias-primas e fora das ações de emergentes e discricionários
  • A maioria dos investidores – 69% – diz que a inflação é transitória, enquanto 28% a vêem como permanente; pesquisa mostra crescente preocupação com a estagflação
  • A inflação é o maior risco de cauda para os mercados, seguida pela remoção de estímulos e variante delta de Covid-19
  • A alocação em ações dos EUA caiu 1 ponto percentual para 10% overweight em relação a agosto, a exposição para ações zona do euro aumentou 2 pontos percentuais para 38% em posição overweight, a alocação para ações EM caiu 5 pontos percentuais para 2% em posição underweight

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Renan Dantas - 14/09/2021 - 14:32

Cotações Crypto
Pela Web