Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Goldfajn: cenário indica continuidade da redução dos juros, apesar dos riscos

19/06/2017 - 14:52

Ilan

Por Ângelo Pavini, da Arena do Pavini

Com expectativas de inflação estabilizadas, projeções de inflação em torno da meta para 2018 e um pouco abaixo da meta para 2017, e elevado grau de ociosidade na economia, o cenário prescreve a continuidade do ciclo de queda dos juros básicos, já considerando os atuais riscos em torno do cenário e as estimativas de extensão do ciclo. A afirmação é do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, durante encontro com investidores institucionais promovido pelo Bradesco. Em sua última reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom) indicou que vai reduzir o ritmo de corte dos juros, de 1 ponto para 0,75 ponto percentual por reunião. Hoje, os juros básicos, a chamada taxa Selic, estão em 10,25% ao ano e a previsão do mercado é de que cheguem a 8,5% no fim deste ano.

Segundo Goldfajn, a extensão do ciclo de flexibilização monetária, ou seja, o tamanho final do corte dos juros, dependerá da evolução da atividade econômica, dos fatores de risco e das projeções e expectativas de inflação para 2018 e 2019, mas também das estimativas da taxa de juros estrutural da economia brasileira. Essa taxa estrutural é a que permite o crescimento da economia sem um descontrole inflacionário, e depende de fatores como a redução da dívida pública, o controle dos gastos do governo e, indiretamente, da reforma da Previdência.

Segundo ele, o  aumento recente da incerteza associada à evolução do processo de reformas e de ajustes necessários na economia brasileira dificulta a queda mais célere das estimativas da taxa de juros estrutural e as torna mais incertas. “Essas estimativas naturalmente envolvem incerteza e poderão ser reavaliadas ao longo do tempo”, afirma Goldfajn, deixando aberta a possibilidade de mudanças na estratégia do banco.

Riscos para a queda dos juros

Segundo Goldfajn, é necessário acompanhar possíveis impactos do aumento de incerteza recente sobre a trajetória  da inflação. A manutenção, por tempo prolongado, de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia pode ter impacto negativo sobre a atividade econômica e, portanto, um efeito de queda dos preços, ou seja, desinflacionário.

Ao mesmo tempo, o impacto da incerteza sobre a formação de preços e sobre as estimativas da taxa de juros estrutural pode ter impacto oposto. Nesse caso, entra a votação da Previdência, que influenciaria o ajuste fiscal e impediria uma queda mais consistente dos juros, diante da possibilidade de o governo voltar a gastar demais e ter de apelar para o endividamento.

Existe também a possibilidade de que os dois efeitos se anulem e a trajetória da inflação siga como antes da crise política, avalia Goldfajn.  De forma geral, as projeções condicionais do Copom hoje envolvem maior grau de incerteza, explica.

Segundo ele, o fator de risco principal é o aumento de incerteza sobre a velocidade do processo de reformas e de ajustes na economia. Isso se dá tanto pela maior probabilidade de cenários que dificultem esse processo quanto pela dificuldade de avaliação dos efeitos desses cenários sobre os determinantes da inflação.

Entre os determinantes, destacam-se a atividade econômica, as expectativas de inflação, as estimativas da taxa de juros estrutural e os preços de ativos financeiros relevantes, caso do dólar, que se subir demais pode pressionar os preços e a inflação.

Há ainda outros riscos, observa Goldfajn, entre eles, o cenário externo, apesar de favorável no momento, apresenta considerável grau de incerteza e pode dificultar o processo de desinflação. Já a desinflação dos preços de alimentos e de preços industriais pode ter efeitos secundários na inflação. Notadamente, pode contribuir para quedas adicionais das expectativas de inflação e da inflação em outros setores da economia.

A atividade econômica também dá sinais de estabilização no curto prazo e perspectiva de recuperação, mas a retomada da economia pode ser mais (ou menos) demorada e gradual do que a antecipada.

E a manutenção, por tempo prolongado, de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia pode ter impacto negativo sobre a atividade econômica, alerta o presidente do BC.

Última atualização por - 05/11/2017 - 14:01

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto