Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Gorjetas virtuais por apresentações online viram negócio de US$ 60 bilhões na China

01/02/2021 - 12:23
Kuaishou Technology
Caixinha: usuários podem agradecer quem se apresenta ao vivo com gorjetas e presentes (Imagem: Intagram/ Kuaishou)

Presentes virtuais são o que há no setor de streaming online da China. É possível presentear um artista que se apresenta ao vivo com uma rosa de 5 yuans (US$ 0,80) ou um foguete espacial de 500 yuans.

O presente é simbólico, mas o dinheiro é real — e é daí que vem o sucesso da Kuaishou Technology. A rival da ByteDance se tornou a maior plataforma de streaming ao vivo de presentes virtuais, tendo mais usuários mensais pagantes do que qualquer outra no mundo inteiro.

A empresa, que recebe uma parcela das gorjetas que os fãs dão aos artistas, levantou US$ 5,4 bilhões em Hong Kong na maior oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) do setor de internet desde que a Uber Technologies abriu o capital em 2019, segundo dados obtidos pela Bloomberg.

Novos bilionários

Essa operação está prestes a criar pelo menos quatro bilionários com fortuna combinada de US$ 15 bilhões, segundo estimativa baseada nas informações de propriedade contidas no prospecto da Kuaishou. Os cofundadores Su Hua e Cheng Yixiao terão cada um mais de US$ 5,5 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

A Kuaishou (que significa “mão rápida”) é uma das maiores histórias de sucesso da internet da última década e faz parte de uma geração de startups que prosperaram com o apoio da Tencent Holdings.

Su Hua e Cheng Yixiao, fundadores da Kuaishou Technology
Clube do bilhão: Su Hua e Cheng Yixiao, fundadores do Kuaishou (Imagem: Divulgação/ Kuaishou)

Junto com a ByteDance, controladora do TikTok, a empresa foi pioneira em transmissões ao vivo e vídeos curtos que foram posteriormente adotados no mundo todo, inclusive por gigantes como Facebook.

“O principal recurso da internet é a atenção”, escreveu Su na biografia oficial da Kuaishou em 2019. “Pode ser focada em um grande número de pessoas como a luz do sol, em vez de agir como um holofote para determinado grupo de pessoas. Esta é a lógica simples por trás da Kuaishou.”

Su, nascido na província central de Hunan, estudou programação de dados na prestigiada Universidade Tsinghua antes de começar a trabalhar no Google em Pequim, em 2006. Lá, ele ganhava cerca de US$ 23.000 anuais, oito vezes o salário médio do país na época.

Inspiração

Embora diga que estava “extremamente feliz” ali, uma estadia no Vale do Silício foi a inspiração para que ele abrisse seu próprio negócio, de acordo com a biografia da Kuaishou.

Sede da Kuaishou Technology
Descolado: empresas do Vale do Silício são a inspiração da Kuaishou, inclusive no ambiente de trabalho (Imagem: LinkedIn/ Kuaishou)

Su saiu do Google durante a crise financeira global para fundar sua empresa de publicidade em vídeo, que não se concretizou. Depois de um curto período trabalhando na Baidu, ele conheceu Cheng em 2011 e logo se tornaram sócios.

Em 2013, a dupla transformou o aplicativo Kuaishou de simples criador de GIFs em rede social de vídeo. A popularidade veio com os vídeos sobre a vida rural na China.

Com a ascensão do Douyin — aplicativo da ByteDance que é o gêmeo chinês do TikTok —, a Kuaishou ficou mais atraente, conquistando influenciadores apoiados por agências de talentos e astros pop como Jay Chou, de Taiwan. No processo, a companhia acelerou a monetização, criando espaços para anúncios e lojas dentro do aplicativo para marcas e varejistas.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Márcio Juliboni - 01/02/2021 - 12:23

Pela Web