BusinessTimes

GPA (PCAR3) e Grupo Mateus (GMAT3): Um tem mais vantagem e pode surpreender o mercado, diz BB

10 jun 2022, 18:00 - atualizado em 10 jun 2022, 18:00
Pão de Açúcar
O BB Investimentos cortou os preços-alvo das ações do Grupo Pão de Açúcar e Grupo Mateus (Imagem: Money Times/Gustavo Kahil)

O BB Investimentos reduziu o preço-alvo para o Grupo Pão de Açúcar (PCAR3), de R$ 31,70 a R$ 28,60, e para o Grupo Mateus (GMAT3), de R$ 6,70 a R$ 5,70.

O banco tem recomendação neutra para ambos os varejistas, apesar de vê-los enfrentando momentos diferentes.

No curto prazo, a instituição espera que ambas as companhias continuem enfrentando um cenário desafiador por causa da inflação. No entanto, o BB Investimentos tem um olhar mais otimista para o Pão de Açúcar.

Segundo o BB Investimentos, o Pão de Açúcar está focado em readequar sua estrutura após o encerramento das lojas do formato hipermercado e drogarias, “o que exige reestruturação e redimensionamento do negócio”.

A instituição acredita que o Pão de Açúcar esteja em uma posição mais vantajosa para entregar incremento de rentabilidade na comparação anual, podendo até surpreender o mercado.

“Isso porque a descontinuidade das operações do hipermercado, que prejudicavam a rentabilidade do grupo, combinada com a readequação de sua estrutura, ora em curso, devem favorecer o ganho de alavancagem operacional nos próximos trimestres”, explica Georgia Jorge, responsável pelo relatório divulgado nesta sexta-feira (10).

A tese de investimento do BB para o grupo, se baseia em quatro pilares:

  1. resiliência do segmento de varejo alimentar, mesmo em cenários de recessão econômica;
  2. força de suas marcas e exploração da fidelização dos seus clientes;
  3. novo ciclo de abertura de lojas; e
  4. aceleração das iniciativas digitais visando à sustentação do incremento na demanda por alimentos via e-commerce.

Também conta a favor da companhia as operações do Grupo Éxito, “que vêm apresentando bons resultados e já representam cerca de 60% das vendas totais”, destaca.

Pressão nas margens

Em relação ao Grupo Mateus, o processo de expansão acelerada “deve levar à perda temporária de alavancagem operacional” no curto prazo, avalia o BB Investimentos.

A instituição lembra que foi apresentado aos investidores, na época do IPO, um plano de expansão focado na densificação de rotas já existentes, “o que contribuiria para o ganho de alavancagem operacional já no curto prazo”.

Entretanto, em 2021, a companhia mudou sua estratégia e optou por criar uma regional para ocupar estados na região Nordeste, ainda não explorados por suas marcas.

O movimento de expansão na região Nordeste implica uma maior pressão sobre as margens operacionais e, por isso, o BB Investimentos projeta margens inferiores no curto prazo.

Ainda assim, a tese de investimento do Grupo Mateus possui alguns pontos fortes, como:

  1. resiliência do segmento de supermercados e hipermercados em cenários macroeconômicos desafiadores;
  2. atuação regional, o que permite que o grupo seja capaz de entender profundamente as características, hábitos e preferências da população em seu entorno;
  3. combinação única de negócios entre varejo e atacado, o que propicia ganho de eficiência logística e permite a centralização de serviços de padaria, hortifruti e frios; e
  4.  aceleração da expansão orgânica mediante o adensamento de rotas logísticas já trabalhadas e a entrada em novas cidades na sua região de atuação.

De riscos, a instituição cita a concentração regional no Nordeste e no Norte, além do acirramento da concorrência.

Disclaimer

Money Times publica matérias informativas, de caráter jornalístico. Essa publicação não constitui uma recomendação de investimento.

Participe do grupo Comprar ou Vender no Telegram!

Faça parte do grupo do Comprar ou Vender no Telegram. Você tem acesso em primeira mão às principais indicações de investimentos dos analistas brasileiros e estrangeiros e ainda participa das discussões sobre os temas. Entre agora para o nosso grupo no Telegram!

Repórter
Graduanda em jornalismo pela Universidade Estácio de Sá. Tem experiência cobrindo mercados, ações, investimentos, finanças, negócios, empreendedorismo, franquias, cultura e entretenimento. Ingressou no Money Times em 2021.
Linkedin
Graduanda em jornalismo pela Universidade Estácio de Sá. Tem experiência cobrindo mercados, ações, investimentos, finanças, negócios, empreendedorismo, franquias, cultura e entretenimento. Ingressou no Money Times em 2021.
Linkedin