Grãos trazem alívio a produtores paraguaios após perdas com soja

27/05/2022 - 8:13
Soja Agronegócio
Os agricultores também devem aumentar o plantio de trigo em cerca de 8%, para aproximadamente 400.000 hectares, quando terminarem a segunda colheita de soja no próximo mês (Imagem: REUTERS/Enrique Marcarian)

Os produtores agrícolas do Paraguai devem obter um alívio financeira das próximas colheitas de grãos e oleaginosas depois de perder cerca de US$ 1 bilhão na principal safra de soja no início deste ano.

Uma segunda safra de milho em junho e julho pode produzir um volume recorde de 6 milhões de toneladas se as geadas não danificarem as lavouras nas próximas semanas, disse Hugo Pastore, diretor executivo da associação de exportadores de grãos e oleaginosas Capeco.

Os agricultores também devem aumentar o plantio de trigo em cerca de 8%, para aproximadamente 400.000 hectares, quando terminarem a segunda colheita de soja no próximo mês.

“As segundas colheitas ajudarão a aliviar a situação dos agricultores”, disse Pastore em entrevista. “Isso traz um pouco de ar fresco, mas não resolve o tamanho do problema: muitas pessoas provavelmente terminarão a temporada no vermelho.”

Espera-se que o Paraguai tenha sua menor safra anual de soja desde pelo menos 2009 depois que a seca reduziu sua primeira colheita. Os altos preços dos grãos e uma segunda safra de soja que pode render de 800.000 a 1 milhão de toneladas vão pelo menos dar aos agricultores dinheiro e sementes para a principal safra do próximo ano, segundo Pastore.

O ano volátil para os produtores paraguaios ocorre em um momento em que os mercados agrícolas do mundo lutam contra seca, restrições de oferta e dificuldades de transporte que elevam os preços dos alimentos. A invasão da Rússia na Ucrânia e os limites de exportação de alguns grandes produtores de grãos também elevaram os preços de produtos básicos como óleos comestíveis e trigo.

O terceiro maior produtor de soja da América do Sul terá uma queda de 60% na safra de oleaginosas em relação ao ano passado, depois que a primeira colheita chegou a pouco menos de 3 milhões de toneladas, segundo dados compilados pela Capeco. As exportações de soja também caíram 44% para 1,26 milhão de toneladas no período de janeiro a abril.

Cerca de 70% das exportações de soja do Paraguai são transportadas por barcaças fluviais para esmagadoras na Argentina, enquanto a maior parte de seus excedentes de milho e trigo são transportados por caminhão para o Brasil.

O tamanho da próxima colheita de milho e os gargalos logísticos que limitam os embarques para o Brasil significam que mais milho descerá pelos rios Paraguai e Paraná para os mercados globais, disse Pastore.

O retorno das chuvas no hemisfério sul durante os meses de verão e outono beneficiou as lavouras e elevou o nível das águas dos rios que transportam a maior parte das importações e exportações do Paraguai. A seca forçou as barcaças que atendem a capital Assunção, no rio Paraguai, a operar a cerca de 40% de sua capacidade durante parte de 2021. Atualmente, as barcaças operam a mais de 90% da capacidade, disse Pastore.

Disclaimer

Money Times publica matérias informativas, de caráter jornalístico. Essa publicação não constitui uma recomendação de investimento.

Cadastre-se nas nossas newsletters e esteja sempre bem informado com as notícias que enriquecem seu dia! O Money Times traz 8 curadorias que abrangem os principais temas do mercado. Faça agora seu cadastro e receba as informações diretamente no seu e-mail. É de graça!

Última atualização por Rafael Borges - 27/05/2022 - 8:13

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto