Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Guedes diz que governo enviará reforma tributária ao Congresso em 2 semanas

12/02/2020 - 14:22
Paulo Guedes
“Começa já, em duas semanas está chegando um pedaço nosso”, disse Guedes (Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira que o governo enviará ao Congresso uma proposta de reforma tributária “acoplável” ao texto que já tramita no Congresso.

“Começa já, em duas semanas está chegando um pedaço nosso, que é o IVA dual, que nós vamos entrar já com PIS/Cofins, vai andar tudo direitinho”, disse ele a jornalistas, em rápida fala na saída do Ministério da Economia.

Guedes não especificou de que maneira será esse envio.

Em outras ocasiões, o ministro já havia dito que o Executivo não iria mandar outra proposta de emenda à Constituição (PEC) sobre reforma tributária para não tumultuar o debate em vista da existência de duas PECs já tramitando no Congresso, uma no Senado e outra na Câmara.

Membros da equipe econômica têm dito há tempos que a visão do governo é de que seria mais fácil e rápido aprovar um IVA dual, fundindo apenas os impostos federais PIS e Cofins, num modelo que deixaria em aberto a posterior adesão voluntária de Estados.

Após decisão em dezembro dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a reforma tributária será primeiramente analisada numa comissão mista com deputados e senadores para produção de um texto de consenso.

O relator desse texto, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse em jantar com secretários da Fazenda na véspera que a intenção é que ele seja aprovado até julho, afirmou o secretário da Fazenda de Pernambuco, Decio Padilha, que coordena o grupo sobre a reforma tributária no âmbito do Comsefaz (Comitê dos Secretários de Fazenda dos Estados).

Padilha, que participou da reunião com Guedes, avaliou que a União enfim chegou à discussão da reforma tributária e disse que Guedes passou a admitir o compartilhamento de receitas de impostos federais com os Estados.

“Governo chegou, antes não tinha chegado”, afirmou.

Segundo Padilha, Guedes apresentou nesta manhã uma proposta em que impostos federais sobre o consumo são fundidos com o ICMS, de competência estadual.

O ISS, que é cobrado pelos municípios, ficou de fora pela avaliação do ministro de que, caso entrasse nesse momento, prolongaria a discussão da reforma e impossibilitaria sua aprovação neste ano, relatou o secretário.

Um grupo de trabalho dos secretários da Fazenda com a União foi formado por Guedes nesta quarta-feira com o objetivo de produzir um material que será apresentado ao ministro dentro de um mês, disse Padilha.

(Atualizada às 14h54)

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Bruno Andrade - 12/02/2020 - 14:55