Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

A guerra cambial voltou em 2018?

16/02/2018 - 16:37

por Noreen Burke, da Investing.com

À medida que as nações procuram reduzir o incentivo monetário sem aumentar o valor de sua moeda, em um momento em que a inflação permanece teimosamente baixa, parece que o risco de guerras cambiais a longo prazo tem aumentado. De acordo com o UK’s Express, com base na recente retórica da administração Trump, “o BCE (Banco Central Europeu) está preocupado que os EUA estejam tentando exercer influência política sobre as taxas de câmbio”.

A natureza das forças por trás do retorno das guerras cambiais também sugere que elas estão aqui para ficar, diz Simon Derrick, estrategista-chefe de moedas do BNY Mellon. Ele explica que a era moderna das “guerras cambiais” surgiu da necessidade de bancos centrais e ministérios da fazenda, todos enfrentando os mesmos desafios de inflação e crescimento baixos, facilitarem a saída da crise de 2008.

Derrick observa que os mercados se concentraram em comentários recentes do membro do Conselho do Banco Central Europeu, Ewald Nowotny, que levantou a preocupação de que os EUA tentam enfraquecer o valor do dólar em relação as outras moedas. “Nós, no BCE, certamente estamos preocupados com as tentativas dos Estados Unidos de influenciar politicamente a taxa de câmbio”, disse Nowotny. “Esse foi um tema de discussões econômicas em Davos, onde o BCE abordou isso, e certamente será um tema na próxima cúpula do G20”. A próxima cúpula do G20 será realizada em março na Argentina.

Os comentários de Nowotny, feitos durante uma entrevista no fim de semana passado, fizeram eco naqueles que fez no início deste mês, quando acusou os EUA de deliberadamente pressionarem o dólar. Também sugeriu que a União Europeia deveria se unir para servir como “contrapeso” para a administração Trump.

Os comentários de Nowotny foram vistos como uma resposta às observações do secretário do Tesouro dos EUA Steve Mnuchin sobre o dólar em 24 de janeiro. Falando no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, Mnuchin disse que um dólar mais fraco é bom para os EUA em relação ao comércio. Um dólar mais fraco tende a beneficiar os exportadores dos EUA, tornando seus produtos mais competitivos no exterior. Também ajuda a diminuir a inflação, o que, por sua vez, ajuda a manter as taxas de juros baixas.

Índice Dólar, que mede a força da moeda em relação a uma cesta de seis divisas, caiu cerca de 2% neste ano e diminuiu 10% em 2017. “O mercado, onde os preços refletem todas as informações conhecidas, não pode descartar o fato de que as autoridades estão plenamente conscientes do impacto que suas observações podem ter”, disse Derrick. “Em termos de seu impacto, a observação passiva pode ser indistinguível de uma tentativa combinada de mover uma moeda – geralmente, os investidores não estão inclinados a fazer distinções”.

Derrick assinala que, enquanto as nações concordarem em cumprir as determinações do G7 e G8 priorizando os “objetivos da política interna”, é inconcebível que isso possa ser feito sem que uma nação ou outra sofra o ônus da apreciação da moeda. Ele observou que o grau de dificuldade enfrentado pelos formuladores de políticas no presente ciclo tem sido muito maior, dado que suas projeções para inflação mais alta foram rotineiramente frustradas.

Embora muitos funcionários do G20 tenham questionado se o “fim” – níveis de inflação – podem justificar os “meios” de níveis de distorção das taxas de juros, as mãos foram atadas pelos riscos de erro de política. Mas graças a uma fase mais forte e sustentada do crescimento econômico global, o status quo cauteloso que caracterizou as políticas monetárias em todo o mundo há tanto tempo começou a mudar. No entanto, isso não significa sugerir que as apostas são menos significativas, longe disso, e não menos devido a uma alta incidência de dívida global.

Derrick disse que se o dólar continuar a desafiar o suporte ao rendimento de acordo com as políticas de normalização, os mercados podem esperar que as tensões crescentes se manifestem com pressões ou manobras sutis dos governos. Todas elas maneiras bastante diplomáticas de enfatizar que uma guerra cambial poderia realmente estar ocorrendo.

Joachim Fels, do PIMCO, talvez coloque de forma mais sucinta:

O dólar … recuou contra outras principais moedas em 2017 e o comentário … do Secretário do Tesouro Mnuchin … em Davos que um dólar fraco é bom para os EUA no curto prazo, exceto confirmar que a administração dos EUA está envolvida em o que chamamos de “guerra fria cambial” – e está ganhando.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: , ,

Última atualização por Gustavo Kahil - 16/02/2018 - 16:37

Cotações Crypto
Pela Web