Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Guerra comercial? Wall Street foca mais na abertura do mercado de US$ 43 trilhões

27/09/2019 - 7:52
Executivos de Goldman Sachs e JPMorgan se encontram com reguladores (Imagem: Bloomberg)

Executivos dos maiores bancos de Wall Street, incluindo Goldman Sachs e JPMorgan, se encontraram em Pequim com reguladores locais para dar continuidade ao processo de abertura do sistema financeiro chinês de US$ 43 trilhões. O movimento indica que as instituições financeiras não estão tão preocupadas quanto se imaginava com a guerra comercial entre EUA e China, conforme apurado pela reportagem da Bloomberg.

Dentre os presentes no encontro estavam Yi Gang, presidente do People’s Bank of China, e oficiais da Comissão Reguladora de Ativos da China.

Mesmo diante do prolongamento da guerra comercial, a China continua a abrir o mercado. A estimativa é de que os bancos possam lucrar US$ 9 bilhões na segunda maior economia do mundo.

Inevitável

Para Michael Pettis, professor de finanças da Peking University, a presença das instituições norte-americanas na abertura do mercado financeiro é de uma certa forma inevitável.

[TOKENS NFT] A nova febre das criptomoedas. Clique aqui e saiba quais tokens NFT podem decolar em 2021.

“A China está muito determinada para realizar a reforma de seus mercados financeiros e sabe que, sem as maiores instituições de Wall Street, é muito difícil auferir um mercado verdadeiramente internacionalizado”, disse.

“Também faz sentido para a China harmonizar uma importante fonte de lobby, em especial agora com tão pouco espaço nos EUA”, completou o professor.

Já Li Haitao, professor de finanças da Cheung Kong em Pequim, acredita que “a abertura dos mercados coloca pressão sobre reformas do sistema financeiro”.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 27/09/2019 - 8:21

Pela Web