Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Hering: está difícil de acreditar na empresa, diz Credit Suisse

21/01/2020 - 14:28
Arara de roupas da Hering
Difícil de engolir: para Credit, Hering precisa mostrar serviço (Imagem: Divulgação/Facebook/Hering)

O tamanho da frustração do mercado com o desempenho da Hering (HGTX3) no quarto trimestre pode ser medido pelo tamanho do tombo de suas ações no pregão desta terça-feira (21). Por volta das 14h, os papéis despencavam 11,67% e eram cotados a R$ 27,71. No mesmo instante, o Ibovespa caía 0,60%, a 118.150 pontos.

Como se sabe, ninguém gostou da prévia operacional publicada pela empresa ontem, após o fechamento do mercado. Entre os desapontamentos, estão a queda de 5,2% no faturamento bruto do quarto trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado, e o recuo de 4% nas vendas, no critério “mesmas lojas”, isto é, aquelas em operação há, pelo menos, 12 meses.

O que agrava a situação é o ceticismo dos investidores com a capacidade de a Hering entregar o que promete. “Acreditamos que a Hering se tornou um caso de ‘mostre-me primeiro’, no qual os investidores permanecerão céticos e ansiosos para ver um crescimento consistente”, resume o Credit Suisse, em relatório assinado pelos analistas Victor Saragiotto e Pedro Pinto.

“A falta de consistência no desempenho das franquias e o ainda reduzido canal multimarcas dificultarão qualquer melhoria operacional que fosse o principal motivo para uma reavaliação dos múltiplos da Hering”, acrescenta o banco.

Difícil de acreditar

Os analistas reconhecem que as ações da têxtil são negociadas com desconto em relação aos melhores papéis do setor, mas advertem: “está difícil dar o benefício da dúvida à Hering. Por isso, continuamos neutros sobre ela.”

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

O Credit Suisse projeta um preço-alvo de R$ 32 para os próximos 12 meses. A cifra representa um potencial de alta de 15% sobre a cotação atual. No pior cenário, contudo, os papéis poderiam cair para R$ 22, segundo o banco suíço. Isto poderia ocorrer, se as vendas “mesmas lojas” recuassem aos níveis de 2019, e a margem de ebitda subisse lentamente.

No melhor cenário, o banco avalia que os papéis subiriam para R$ 47. Mas, como os analistas mesmos lembram: está difícil de acreditar até no cenário básico.

Veja, abaixo, a íntegra dos resultados operacionais divulgados ontem pela Hering.

Última atualização por Márcio Juliboni - 21/01/2020 - 14:44