Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ibovespa flerta com 89 mil pontos com expectativas de retomada de economias

01/06/2020 - 17:20
Ibovespa Mercados
Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,39%, a 88.620,10 pontos, tendo superado os 89 mil pontos na máxima da sessão (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

O Ibovespa (IBOV) fechou em alta nesta segunda-feira, com papéis de bancos entre as maiores contribuições para a alta, diante de perspectivas positivas para a reabertura de economias, após as restrições adotadas em razão da pandemia de Covid-19.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,39%, a 88.620,10 pontos, tendo superado os 89 mil pontos na máxima da sessão, o que não acontecia desde março. O volume financeiro somou 24,89 bilhões de reais.

Apostas de uma retomada econômica com vários países afrouxando medidas de confinamento continuaram respaldando compras de ações, apesar do clima tenso entre Estados Unidos e China e da cena política conturbada no Brasil.

A alta nesta sessão vem após o Ibovespa acumular ganho de 8,57% em maio e 10,25% em abril. Ainda assim, contudo, permanece distante da máxima intradia registrada em janeiro, de 119.593,10 pontos. No ano, ainda acumula perda de 23,37%.

Do ponto de vista gráfico, o comportamento do Ibovespa está criando a expectativa de um segundo semestre bem mais positivo, mesmo que ocorra uma realização de lucros na faixa dos 90 mil pontos, disse o analista Fernando Góes, da Clear Corretora.

Estrategistas esperam que a bolsa paulista siga volátil neste mês. Apesar do ânimo sobre a reabertura das economias e potencial avanço em medicamentos e vacinas contra o Covid-19, ainda param dúvidas sobre o ritmo da recuperação.

A Organização Mundial de Saúde alertou nesta segunda-feira que a América do Sul ainda não chegou ao pico da epidemia do novo coronavírus, inclusive no Brasil, e não há como prever quando isso vai ocorrer.

Itaú ITUB4
Itaú Unibanco fechou em alta de 2,78% e Bradesco subiu 4,49%, após fecharem maio com performance mais fraca do que o Ibovespa (Imagem: Money Times/Gustavo Kahil)

Destaques

Itaú Unibanco (ITUB4) fechou em alta de 2,78% e Bradesco (BBDC4) subiu 4,49%, após fecharem maio com performance mais fraca do que o Ibovespa. Tal desempenho ainda teve como pano de fundo comentário do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, de que punir bancos em relação ao custo do crédito não é a solução. Banco do Brasil (BBAS3) valorizou-se 3,11% e Santander (SANB11) avançou 4,08%.

Vale (VALE3) encerrou com acréscimo de 0,79%, após um novo salto, de mais de 6%, dos futuros do minério de ferro na China nesta segunda-feira. A alta ocorreu diante de forte demanda doméstica pela matéria-prima utilizada na fabricação do aço e por preocupações com o suprimento do Brasil, o que levou os preços spot ao maior nível em 10 meses.

Petrobras (PETR4) terminou com decréscimo de 0,05%, em meio a uma sessão volátil dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent subiu 1,27%, mas o contrato de WTI caiu 0,14%. Petrobras (PETR3) avançou 0,53%. A petrolífera disse mais cedo nesta segunda-feira que iniciou nova fase de um processo para venda de sua participação de 35% no campo de Manati, uma concessão de produção marítima em águas rasas na bacia de Camamu, na Bahia.

Via Varejo (VVAR3) disparou 8,31%, endossada por relatório do Bradesco BBI reiterando recomendação de ‘outperform’ para as ações. Os analistas também elevaram o preço-alvo da ação de 11 para 15 reais, avaliando que o papel está precificando um cenário menos otimista para o comércio eletrônico. Magazine Luiza (MGLU3) e B2W (BTOW3) também tiveram os preços-alvo elevados pelo Bradesco BBI, mas a recomendação foi reduzida para ‘neutra’, com os analistas citando que os papéis já embutem grandes aumentos de participação de mercado. Esses papéis fecharam em baixa de 1,01% e 0,24%, respectivamente.

Gol (GOLL4) avançou 8,56%, com aumento de oferta de voos previsto para o mês e relatório do BTG Pactual reiterando ‘compra’ para a companhia. Os analistas citaram liquidez razoável e modelo de negócios em boa forma para enfrentar a crise do Covid-19, embora tenham reduzido o preço-alvo de 60 para 20 reais e citado ainda baixa visibilidade sobre a recuperação da demanda e a reestruturação em aberto da Smiles (SMLS3). No setor, Azul (AZUL4), que também ampliou a malha aérea a partir de junho, subiu 7,49%.

Iguatemi (IGTA3) subiu 7,55%, com o setor de shopping centers entre as maiores altas do Ibovespa, em meio a alívio nas restrições de confinamento em várias cidades. Nesta segunda-feira, a prefeitura do Rio de Janeiro anunciou um plano de reabertura gradual das atividades econômicas que entrará em vigor na terça-feira. As empresas de shoppings também se beneficiam do ambiente de juros menores uma vez que tal movimento amplia a diferença entre a taxa de retorno e o custo da dívida. Multiplan (MULT3) ganhou 7,68% e brMalls (BRML3) avançou 6,32%.

Embraer (EMBR3) valorizou-se 3,64%, mesmo após resultado do primeiro trimestre com aumento do prejuízo. Executivos da fabricante de aviões afirmaram que China e Índia poderiam ser potenciais parceiros da companhia, bem como deve ter novidade sobre financiamentos nas próximas semanas.

Localiza (RENT3) recuou 2,26%. A equipe da XP Investimentos afirmou que as incertezas relacionadas à duração do período de restrição de circulação de pessoas e os impactos sobre a atividade têm exercido pressão sobre nomes ligados a consumo, que é o caso de Localiza. Ainda assim, os analistas mantiveram a ação na sua carteira ‘Top 10’ para junho, uma vez que veem cronograma confortável de amortizações em relação a sua liquidez. A empresa também apresenta atualmente o maior spread entre retorno sobre capital investido e seu custo de capital no setor, afirmaram.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Leia mais sobre: Coronavírus, Ibovespa, Mercados, Reuters

Última atualização por Renan Dantas - 01/06/2020 - 18:12