Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Imposto sobre transações geraria distorções, mas aumentaria base em 30%, diz Cintra

12/08/2019 - 13:23
Cintra destacou, ainda, que o governo não vai impor a Estados e municípios o novo modelo de IVA que será proposto para a tributação federal (Imagem: José Cruz/Agência Brasil)

O secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, admitiu nesta segunda-feira o risco de distorções derivadas de um imposto sobre transações financeiras, reconhecido por ele como da mesma “espécie” que a extinta CPMF, mas disse que já realizou estudos em que essa distorção seria amenizada em equilíbrio com o imposto sobre valor agregado (IVA) e frisou que o polêmico tributo aumentaria a base tributária em “aproximadamente 30%”.

“Isso significa que 30% do nosso PIB que hoje estão na economia subterrânea -na economia formal, porém praticando evasão e sonegação- e na economia formal serão incorporados por esse novo tributo. Não há outro tributo capaz de alcançar essas bases a não ser um sobre pagamentos”, disse em palestra na Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Cintra reconheceu as distorções do tributo -que está sendo chamado de Contribuição Previdenciária-, sobretudo por causa do efeito cumulativo da cobrança. Mas, segundo o secretário, é preciso comparar modelos.

“Mesmo cumulativo, a alíquota sendo baixa o nível de distorção, de cumulatividade implícita nesse modelo, é mais baixo do que com um IVA de alíquota mais alta”, afirmou.

Cintra disse que “prefere” um imposto sobre transações com alíquota de 2% do que um IVA com alíquota de “30%, 35%”.

O chefe da Receita voltou a falar sobre o mecanismo chamado por ele de “gangorra”, que permitiria ajuste na proporção na qual IVA e imposto sobre pagamentos bancariam a desoneração da folha de pagamentos. O secretário esclareceu que a proposta de emenda constitucional a ser encaminhada ao Congresso não trará a definição de uma alíquota sobre transações, questão que terá ainda de ser discutida.

Ainda segundo Cintra, o IVA vai blindar os mercados financeiro e de capitais na medida em que esses setores não sofrerão tributação cumulativa.

A proposta a ser apresentada pelo governo -segundo Cintra, na próxima semana- terá três eixos: imposto sobre pagamentos, IVA federal (para reunir tributos federais como PIS, Cofins e IOF arrecadatório) e mudanças no Imposto de Renda para pessoas físicas e jurídicas.

Cintra disse já haver entendimento de que deduções no IRPF com saúde e educação terão fim e que a ideia é reduzir a alíquota do IRPJ para o “patamar de 20% a 25%”, com mudanças na metodologia de cálculo do chamado lucro justo das empresas.

“Vamos nos distanciar das regras contábeis internacionais e adotar princípios mais objetivos para apurar lucro tributável das empresas.”

Cintra destacou, ainda, que o governo não vai impor a Estados e municípios o novo modelo de IVA que será proposto para a tributação federal. Ele ressaltou que, mesmo com um ambiente politicamente propício a reformas, o debate sobre reforma tributária “não será fácil”.

“Não podemos perder o momento, ou seja, terminar o governo sem reforma tributária”, afirmou o secretário durante evento em São Paulo.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Bruno Andrade - 12/08/2019 - 13:23