Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Incorporadora chinesa Evergrande corre risco de crise de caixa

26/09/2020 - 17:06
Construção Civil China
Caso se recusem a prorrogar o prazo, a empresa precisará reembolsar até 130 bilhões de yuans (US$ 19 bilhões), o equivalente a 92% do caixa e equivalentes (Imagem: Reuters/Thomas Peter)

A incorporadora mais endividada do mundo alertou autoridades da China de que corre risco de não pagar dívidas, o que poderia abalar o sistema financeiro de US$ 50 trilhões do país, a menos que reguladores aprovem a adiada listagem da empresa.

A China Evergrande mapeou o cenário em uma carta de 24 de agosto enviada ao governo de Guangdong vista pela Bloomberg, na qual a empresa busca apoio para uma proposta de reestruturação necessária para garantir a listagem e evitar uma crise de caixa.

A incorporadora enfrenta um teste crítico em 31 de janeiro, quando investidores estratégicos terão permissão para sair do acordo a menos que a Evergrande consiga aprovação para uma listagem na Bolsa de Valores de Shenzhen.

Caso se recusem a prorrogar o prazo, a empresa precisará reembolsar até 130 bilhões de yuans (US$ 19 bilhões), o equivalente a 92% do caixa e equivalentes.

Isso pode levar a “inadimplências cruzadas” dos empréstimos da Evergrande com bancos, fundos e no mercado de títulos, o que resultaria em riscos sistemáticos para o sistema financeiro, de acordo com o documento enviado ao governo da província de Guangdong, sede da empresa.

Ligações para a assessoria de imprensa do governo de Guangdong não foram atendidas. A Evergrande disse em comunicado que as postagens nas redes sociais sobre seus planos de reestruturação de ativos são “inventadas”, sem especificar detalhes.

A incorporadora acrescentou que a empresa gerou 400 bilhões de yuans em fluxo de caixa com vendas de projetos nos primeiros oito meses e mantém operações saudáveis. A empresa não mencionou se procurou ajuda do governo.

A dívida total da incorporadora subiu 4%, para 835 bilhões de yuans no fim de junho, em comparação com 800 bilhões de yuans no final de 2019. A dívida líquida aumentou para um recorde de 631 bilhões de yuans diante do nível de caixa mais baixo, mostram cálculos da Bloomberg.

Em agosto, a Evergrande reiterou uma ambiciosa meta de desalavancagem – reduzir os empréstimos em cerca de 150 bilhões de yuans por ano de 2020 a 2022, ou cerca da metade da dívida atual. Até agora, não cumpriu a promessa.

Desde então, a incorporadora lançou uma campanha de vendas na China para fazer caixa, levantou US$ 3 bilhões com a venda de uma participação em seu braço de serviços e reduziu gastos com a compra de terrenos.

A empresa espera que o investimento total em veículos elétricos seja de 29 bilhões de yuans, abaixo dos 45 bilhões de yuans planejados anteriormente.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 24/09/2020 - 12:00