Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Indicada de Biden para liderar comércio tem missão difícil

23/02/2021 - 15:50
Joe Biden
Biden planeja adotar uma abordagem mais cuidadosa para o comércio, mas seu governo forneceu poucos detalhes sobre as políticas específicas em mente (Imagem: Alex Brandon/Pool via REUTERS)

Semanas antes de a Casa Branca anunciar que manteria as tarifas sobre mais de US$ 350 bilhões em produtos chineses, Katherine Tai deu uma prévia das más notícias a um grupo de líderes empresariais dos Estados Unidos.

Tai, indicada pelo presidente Joe Biden para o posto de Representante de Comércio dos EUA, disse a executivos em reunião privada organizada pelo Business Roundtable no mês passado que o lobby para que as tarifas fossem removidas não funcionaria, de acordo com pessoas a par dos comentários.

Por isso, empresas que desejam manter o chamado acordo comercial de primeira fase – firmado pelo governo Trump com o governo de Pequim – também devem estar preparadas para aceitar as tarifas, disse Tai.

Sua avaliação franca oferece um vislumbre da abordagem metódica que planeja adotar como a principal autoridade de comércio dos EUA, bem como a linha dura que espera seguir nas negociações com a China. Biden aposta no perfil discreto de Tai – ela não é tão conhecida quanto alguns de seus outros assessores econômicos – e em seu estilo pragmático para distanciá-lo do caos que definiu a agenda comercial do governo Trump.

Biden planeja adotar uma abordagem mais cuidadosa para o comércio, mas seu governo forneceu poucos detalhes sobre as políticas específicas em mente. A audiência de confirmação de Tai na quinta-feira perante o Comitê de Finanças do Senado será uma das primeiras oportunidades para saber mais sobre os planos do governo e suas opiniões sobre uma longa lista de desafios à frente.

Como chefe de comércio dos EUA, Tai terá papel fundamental para ajudar a administrar as relações dos EUA com a China e suas amplas consequências econômicas. Ela ajudará a escrever o próximo capítulo sobre a espinhosa relação entre as maiores economias do mundo, que deve se tornar ainda mais contenciosa nos próximos anos.

Tai, que ganhou vários processos importantes contra a China como advogada de comércio durante o governo Obama, será inabalável nas negociações com Pequim, segundo ex-colegas.

“Ela sabe onde os corpos estão enterrados”, disse Eric Altbach, consultor e ex-colega de Tai, em referência às negociações comerciais anteriores.

Além da China, alguns dos outros assuntos urgentes que Tai enfrentará como Representante de Comércio incluem disputas pendentes com a União Europeia e pressão para fazer cumprir exigências trabalhistas do México no novo Acordo de Livre Comércio da América do Norte.

Tai, de 46 anos, nasceu em Connecticut e se formou na Harvard Law School, onde foi aluna de Elizabeth Warren antes de a democrata de Massachusetts entrar na política. Warren é uma das senadoras que questionará Tai durante a audiência de quinta-feira.

Se confirmada, Tai será a primeira asiático-americana a atuar como chefe de comércio dos EUA. Ela não quis fazer comentários antes da confirmação.

Tai, cujos pais nasceram na China e também moraram em Taiwan, é fluente em mandarim e passou a maior parte da carreira em Washington D.C., mais recentemente como conselheira-chefe do Comitê de Orçamento e Tributos.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 23/02/2021 - 15:50