Indústria estima em 20% repasse das altas das matérias-primas, sem computar carnes

25/10/2021 - 17:35
alimentos
Indústria sente o peso dos custos das matérias-primas mais caras os preços dos alimentos (Imagem: Marcos Oliveira/Agência Senado)

O que entrou e saiu das indústrias de alimentos em setembro confirmam a alta do IPCA, em mais 1,16% naquele mês. E nem tudo que entrou mais caro poder ter saído com a remarcação cheia.

A Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia) estima em 20% o repasse para o consumidor dos preços das matérias-primas. Mais as embalagens, representam 60% dos que as empresas gastam para levar, depois, ao varejo.

Desse modo, no levantamento do mês passado, o café robusta ficou 84% mais caro, seguido do açúcar e milho, com 64%, trigo 40%, soja 24%, leite 12%, arroz 5%, e cacau 4%.

E não entraram carnes na pesquisa.

A mistura de produção comprometida (caso do café, açúcar e milho), com demanda internacional favorável (caso do soja), e oferta externa mais baixa (caso do trigo), elevaram os custos na cadeia.

Com o componente dólar empurrando os gastos com produção.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 25/10/2021 - 17:39

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web