Economia

IPCA de junho tira risco de retomada de altas da Selic da frente, diz economista

10 jul 2024, 15:44 - atualizado em 10 jul 2024, 15:48
ipca inflação selic
Perspectiva para as próximas leituras do IPCA é positiva, diz economista (Imagem: Gadini/Pixabay)

A leitura da inflação de junho foi “bastante positiva tanto do ponto de vista quantitativo e qualitativo”, avalia o economista sênior do Inter, André Valério. “Devolveu toda a alta de maio, que foi amplamente influenciado pelos eventos catastróficos do Rio Grande do Sul”, afirma.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) desacelerou frente ao mês anterior e subiu 0,21% em junho. Em 12 meses, a inflação acumula alta de 4,23%.

Segundo Valério, a perspectiva é positiva para os próximos meses. O último Relatório Focus aponta para um IPCA de 0,19% em julho e de 0,10% em agosto. No ano, as expectativas para o índice são de 4,2%.

“Com a redução da incerteza local após a última reunião do Copom com decisão unânime, o resultado contribuirá para devolver as altas precificadas na curva de juros, reduzindo o risco de uma eventual retomada de altas da Selic como chegou a ser precificado pelo mercado. Isso contribuirá para retirar pressões sobre a taxa de câmbio, acomodando as expectativas”, diz o economista.

Além disso, ele lembra que a perspectiva de início do ciclo de cortes nos juros dos Estados Unidos em setembro contribui para esse cenário.

“Vemos condições para o Banco Central manter a Selic inalterada em 10,50% até o fim do ano, com a eventual retomada do ciclo de cortes no primeiro trimestre de 2025″, completa.

O IPCA de junho

O IPCA de junho desacelerou e veio abaixo do esperado pelo mercado. A média dos núcleos também reduziu a alta de 0,39% para 0,22%, mas acelerou na margem no acumulado em 12 meses, de 3,55% para 3,57%.

A inflação de serviços ficou estável, variando 0,04%, e foi amplamente influenciada pelo comportamento das passagens aéreas, que recuou 9,88%, segundo o economista do Inter.

“Descontada as passagens aéreas, a inflação de serviços desacelerou de 0,31% em maio para 0,22% em junho, mesma dinâmica observada na inflação de serviços subjacentes, que recuou na margem de 0,41% para 0,36%. Em 12 meses, vemos a inflação de serviços retomar a tendência de desinflação, acumulando alta de 4,47%”, afirma.

O grupo de alimentação e bebidas teve alta de 0,44% e impacto de 0,1 ponto percentual (p.p.). “Tanto alimentação no domicílio e fora do domicílio desaceleraram frente a maio e a tendência é que tal dinâmica persista ao longo do mês de julho, com diversos itens desse grupo apresentando variação negativa”, explica Valério.

Na outra ponta, o grupo de transportes recuou 0,19%, retirando 0,04 p.p. do índice cheio, refletindo a baixa nas passagens aéreas. Combustíveis tiveram alta de 0,54%, impactados pelo avanço de 0,64% da gasolina. “Para julho, devemos ver pressões vinda desse grupo tendo em vista o aumento no preço da gasolina recém anunciado pela Petrobras“, diz.

Editora-assistente
Editora-assistente no Money Times e graduanda em Jornalismo pela Unesp - Universidade Estadual Paulista. Entrou para a área de finanças e investimentos em 2021.
Linkedin
Editora-assistente no Money Times e graduanda em Jornalismo pela Unesp - Universidade Estadual Paulista. Entrou para a área de finanças e investimentos em 2021.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.