Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Ivan Sant’Anna: Um cabo, um soldado e um jipe

23/04/2019 - 12:18

Caro leitor,

E se atrás do jipe com o cabo e o soldado houver uma turba furiosa de 300 mil pessoas?

Em 2013, durante o governo Dilma Rousseff, por ocasião da Copa das Confederações realizada no Brasil, houve manifestações populares em todo o país. Não eram pacíficas. As pessoas queimavam ônibus, depredavam e saqueavam lojas, bloqueavam ruas e estradas com barreiras de pneus queimados.

Nunca se soube exatamente o que esses “revoltosos” pretendiam. O movimento se assemelhou, embora com intensidade bem menor, ao que aconteceu em Paris durante o ano de 1968, movimento esse que se expandiu para os Estados Unidos (lá, contra a guerra do Vietnã), Praga (contra o domínio soviético) e mesmo para o Brasil (contra o regime militar).

Aqui, dele resultou o AI-5, assinado em 13 de dezembro de 1968, que, entre outras medidas, suprimiu as garantias individuais.

Pois bem, caro amigo leitor, onde estou querendo chegar?

A situação político-econômica brasileira está chegando a um ponto insustentável. Vários dispositivos constitucionais terão de ser quebrados, nem que seja na marra.

No século 18, a Revolução Francesa extinguiu o direito divino da monarquia. O movimento de independência dos Estados Unidos, que expulsou as forças armadas inglesas, era uma insubordinação contra a Coroa britânica.

Aqui nas terras tupiniquins, o Grito do Ipiranga tomou de Portugal o que, ao modo de ver da corte portuguesa, era território seu. A Lei Áurea tornou nulos os títulos de posse dos donos dos escravos, sem lhes pagar indenização alguma e a Proclamação da República foi uma quartelada que deu certo.

+ Mais uma greve dos caminhoneiros? O Marink Martins comenta o assunto aqui. Acompanhe os podcasts para saber como ganhar com a Petrobras independentemente do momento do mercado.

Guardadas as proporções, no Brasil a letra da lei, mesmo que escarvada numa cláusula pétrea, simplesmente não poderá prosseguir impedindo os governos federal e estaduais de usar seus cofres para promover o bem-estar da população.

O dinheiro já chega ao Tesouro rubricado para manter as sinecuras de uma casta de privilegiados.

Um cabo, um soldado e um jipe são apenas figura de retórica. Mas algo vai acontecer. E será de repente, quem sabe no meio da noite. Ou alguém acha que uma cidade como o Rio de Janeiro pode continuar sendo governada por traficantes e milicianos?

Essa revolução brasileira será boa para o mercado financeiro, que não pode se limitar apenas a avaliar o dia de amanhã, ou de depois de amanhã.

Gostou dessa newsletter? Então me escreva contando a sua opinião no [email protected].

Um abraço,

Ivan Sant’Anna

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: , ,

Última atualização por Gustavo Kahil - 23/04/2019 - 12:18

Cotações Crypto
Pela Web