Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Lixo é lucro para quem compra as ações da Ambipar

21/08/2020 - 9:56
Ambipar
De acordo com os analistas, a empresa tem uma proposta de valor única e se tornou uma das melhores opções de investimentos do portfólio (Imagem: Facebook/Ambipar)

Lixo é lucro para quem compra as ações da Ambipar (AMBP3), de acordo com o relatório do BTG Pactual. O banco iniciou a cobertura da companhia na quinta-feira (20) com uma visão muito sobre as práticas ESG, recomendando a compra dos ativos com preço-alvo de R$ 35 por papel.

De acordo com os analistas João Pimentel e Fillipe Andrade, a empresa tem uma proposta de valor única e se tornou uma das melhores opções de investimentos do portfólio.

“Uma consciência ambiental mais forte (com o endurecimento da regulamentação), aliada à experiência única da Ambipar e à equipe de gestão de alto nível, tornam a empresa um dos melhores veículos de investimento que cobrimos, combinando crescimento com retornos cumulativos, fornecendo todas as credenciais ESG necessárias”, afirmou o BTG.

Quando a oportunidade de investimento surgiu, os investidores ficaram surpresos ao encontrar uma empresa que era líder absoluta em seu mercado, com uma base de clientes diversificada (incluindo empresas de primeira linha), um forte balanço patrimonial e oportunidades de crescimento a serem desbloqueadas.

A Ambipar, que inicialmente começou como uma empresa de gerenciamento de resíduos em 1995, fez várias aquisições estratégicas e acabou entrando no negócio de resposta a emergências, que mais tarde se expandiu para fora do Brasil.

Hoje, a companhia fornece soluções de gestão de resíduos para mais de 50 empresas e fornece serviços de emergência para mais de 10 mil clientes em 15 países. A Ambipar possui contratos de longo prazo com a maioria de seus clientes e tem apresentado crescimento consistente com retornos superiores, avaliou o BTG.

Na visão do banco, apesar da empresa já ter forte posição de mercado e ser lembrada por diversos clientes em segmento diferentes, ainda há grandes oportunidades de crescimento para ser utilizadas. “Na vertente ambiental, pretendem continuar a crescer com a concretização de novos contratos de gestão de resíduos com clientes de diversos setores. No ramo de atendimento a emergências, a Ambipar pretende construir mais bases de atendimento no Brasil (ampliando sua área de cobertura) e expandir ainda mais para os EUA, onde ingressou pela primeira vez após a compra de uma empresa local”, completaram os analistas.

Receita

De acordo com o BTG, a empresa conta com três linhas principais de receita, sendo elas gestão de resíduos, reciclagem e logística de materiais perigosos.

Na gestão de resíduos, a Ambipar possui 17 contratos nos quais fornece às plantas industriais uma solução integrada, desde a coleta ao tratamento e destinação final.

A reciclagem, por sua vez, é uma forma de reintroduzir resíduos que, de outra forma, seriam descartados em aterros sanitários, e o negócio de logística oferece transporte seguro para esses resíduos. A duração média dos contratos ambientais é de 5 anos.

O BTG vê a empresa como o veículo ESG listado mais puro. Ela fornece soluções que reduzem a pegada ambiental das empresas e o faz com altos padrões regulatórios.

“Está altamente posicionada para gerar crescimento (28% EBITDA CAGR 2019-23), principalmente por meio da assinatura de novos contratos de gestão de resíduos, mas também da expansão de suas bases de resposta a emergências no Brasil e no exterior. Apesar de uma alta de 13% após o IPO, ainda vemos as ações sendo negociadas a uma TIR real atraente de 13,7% e EV/EBITDA 21 implícito de 9,5x. Com base no preço de fechamento de ontem, vemos um potencial de aumento de 25% para nosso TP”, avaliou o relatório.

 

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 21/08/2020 - 10:15