Comprar ou vender?

Localiza (RENT3) e Vamos (VAMO3): Aluguel de carros deve ser destaque do setor de transportes no 4T21

09 fev 2022, 12:53 - atualizado em 09 fev 2022, 12:53
Localiza
Resultados podem aliviar as preocupações do mercado em relação aos níveis de retorno do setor (Imagem: Renan Dantas/Money Times)

Um relatório da XP projeta que o setor de aluguel de carros deve apresentar bom desempenho no quarto trimestre de 2021 e ser destaque no setor de transportes.

Para os analistas Pedro Bruno, Lucas Laghi e Gabriela Ferrante, isso pode aliviar as preocupações do mercado em relação aos níveis de retorno do setor.

A Localiza (RENT3) deve apresentar bons resultados, que vão acompanhar as tendências de volumes ainda reduzidos nos segmentos Rent-a-Car (RAC) e Seminovos no contexto de crise de desabastecimento automotivo, porém compensado por tendências de preço positivas no RAC e margem EBITDA forte de Seminovos.

Os resultados da Vamos (VAMO3) devem reforçar o forte impulso de lucro da empresa, com base no crescimento da frota em suas operações de aluguel e das receitas de concessionárias. Os analistas projetam que o EBITDA e o lucro líquido vão crescer 63% e 93%, respectivamente, no comparativo anual.

Já a Movida (MOVI3) deve dar um passo positivo em relação aos resultados do terceiro trimestre de 2021, com melhorias tanto em volumes e preços em RAC.

Em relação aos seminovos, os analistas esperam que a margem EBITDA da Movida continue próxima dos níveis máximos, já que a alta nos preços dos novos continua elevando os preços dos carros usados.

O relatório ainda destaca o desempenho da Unidas (LCAM3), cujo crescimento no lucro líquido deve ser de 19% ano a ano, refletindo a perspectiva de demanda para os segmentos RAC e Terceirização de Frotas.

Do lado negativo, no entanto, os analistas esperam um aumento de custos pressionando as margens EBITDA de RaC e Terceirização de Frotas, com taxas de juros mais altas implicando a última linha.

Aéreas

Gol
Aéreas se beneficiam com a diminuição dos impactos da pandemia da Covid-19 (Imagem: REUTERS/Paulo Whitaker)

As aéreas devem entregar bons resultados por aumento da demanda. O desempenho da GOL (GOLL4) deve refletir um cenário positivo de preços ao longo do quarto trimestre de 2021.

Os analistas projetam que os níveis de rentabilidade da empresa sigam melhorando à medida que os impactos da pandemia da Covid-19 arrefecem. O cenário é semelhante para a Azul (AZUL4).

Ferrovias e hidrovias

CCR Via Dutra
Todos os segmentos da empresa (rodovias, mobilidade urbana e aeroportos) continua se recuperando dos impactos relacionados à pandemia. (Imagem: REUTERS/Gabriel Araujo)

Para o setor de ferrovias e hidrovias, o trimestre deve ser fraco, com resultados tanto da Rumo (RAIL3) quanto da Hidrovias do Brasil (HBSA3) prejudicados pelas fracas exportações de milho no ano passado e altos preços do diesel.

A Rumo até reportou volumes acima do esperado e preços “relativamente resilientes”, considerando a fraqueza no cenário de demanda. Ainda assim, o desempenho não compensa os custos de combustíveis que estão mais altos, destaca a XP.

Em relação à Hidrovias do Brasil, os resultados devem vir pressionados porque, além da quebra de safra do milho, há a piora das condições de navegabilidade ao longo do Corredor Sul.

Os analistas esperam resultados “neutros” para a CCR (CCRO3), visto que o desempenho do tráfego em todos os segmentos da empresa (rodovias, mobilidade urbana e aeroportos) continua se recuperando dos impactos relacionados à pandemia.

O cenário é o mesmo para a Ecorodovias (ECOR3), que deve reportar receita líquida (excluindo receita de construção) de R$ 870 milhões (+5% ano a ano e -5% trimestre a trimestre) e EBITDA de ~R$ 550 milhões, estável em relação ao ano anterior.

Editora
Jornalista paulistana formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e editora do Money Times. Passou pelas redações da CNN Brasil e TV Globo como produtora, VOCÊ S/A e VOCÊ RH como repórter e Exame.com como redatora estagiária.
Linkedin
Jornalista paulistana formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e editora do Money Times. Passou pelas redações da CNN Brasil e TV Globo como produtora, VOCÊ S/A e VOCÊ RH como repórter e Exame.com como redatora estagiária.
Linkedin