Comprar ou vender?

Magazine Luiza (MGLU3): É hora de comprar as ações, após acordo com AliExpress?

24 jun 2024, 17:32 - atualizado em 24 jun 2024, 17:35
Magazine Luiza
Acordo só deve impactar nos números a partir do terceiro trimestre deste ano. (Imagem: Money Times/Renan Dantas)

Analistas seguem majoritariamente neutros em relação as ações do Magazine Luiza (MGLU3) depois que a empresa anunciou um acordo com o AliExpress.

A avaliação é de que o cenário de juros altos e expectativas de inflação elevada ainda pesam sobre o setor, além da competição com outras plataformas estrangeiras.

Os analistas sublinharam, no entanto, que o acordo anunciado é positivo. Os papéis da varejista fecharam o dia com alta de 12,28%, a R$ 12,16. 

De acordo com a Broadcast, do Grupo Estado, 71% dos analistas tem recomendação de manutenção para MGLU, enquanto 28,5% recomendam a compra e 0% falam em venda. A última atualização da plataforma é de 21 de junho, mas o Money Times não teve acesso a relatório que mudasse de posição por conta do acordo de hoje.

Segundo anúncio desta segunda, itens de categorias como eletrodomésticos, eletrônicos, móveis e televisores serão vendidos no AliExpress. Em troca, a plataforma estrangeira comercializará os seus produtos com selo “Choice” (premium) no marketplace do Magazine Luiza.

A XP Investimentos, que segue com recomendação neutra, destacou que o acordo expande rapidamente o alcance da empresa nas categorias de cauda longa, ao mesmo tempo em que abre um novo canal de vendas para o sortimento 1P (venda direta para o consumidor final).

“Fizemos uma rápida verificação de preços em uma amostra limitada de SKUs e chegamos à conclusão de que as ofertas de cauda longa do AliExpress são de fato mais atraentes do que as da MGLU, com preços médios 10% mais baixos, já levando em conta os custos de frete e o imposto de importação”, disse em relatório assinado por Danniela Eiger e equipe.

Na avaliação do Santander, a parceria aumenta a frequência de clientes na plataforma do Magazine Luiza, dado o menor ticket dos produtos AliExpress. O banco também segue com classificação neutra para os papéis MGLU3.

  • LEIA MAIS: Concorrência com as plataformas chinesas Shein e Shopee está prejudicando boa parte das varejistas brasileiras, mas três ações do setor parecem estar “imunes”; veja quais são neste relatório gratuito

Por que comprar

O analista independente Phil Soares sublinhou ao Giro do Mercado que a estabilidade sobre as expectativas econômicas permite uma pequena exposição aos papéis de Magazine Luiza.

Ele citou o Inter como exemplo de ação que subiu recentemente e que merecia uma pequena exposição – MGLU3 poderia ser um caso semelhante, segundo o analista.

A Genial também segue recomendando a ação do Magazine Luiza, citando a preservação de perspectiva de lucro operacional.

A corretora destacou que o acordo só deve impactar nos números a partir do terceiro trimestre deste ano, com o pico ao longo do quarto trimestre – dado a sazonalidade de vendas com a Black Friday e Natal.

Não existe um tempo estimado de delimitação para o acordo estratégico, assim como também não há multa em caso de rescisão, lembrou.

“Isso significa que qualquer uma das partes poderia recuar e desfazer o acordo a qualquer momento, sem nenhum prejuízo envolvido. Para Magazine Luiza, julgamos que o downside seria retomar ao atual estado de crescimento do marketplace“.

Editor
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com MBA em finanças pela Estácio. Colaborou com revista Veja, Estadão, entre outros.
Linkedin
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com MBA em finanças pela Estácio. Colaborou com revista Veja, Estadão, entre outros.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.