Economia

Mais que Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3): Veja outro ponto que medida de Lula deve ajudar

14 jul 2023, 9:51 - atualizado em 14 jul 2023, 9:51
Lula, Brasil, Política, Itália, Mercosul
Programa de Lula de descontos aos eletrodomésticos deve reduzir impostos para 3%, estimam especialistas (Imagem: REUTERS/Ueslei Marcelino)

A programa do presidente Lula (PT) de descontos aos eletrodomésticos da linha branca pode ajudar a reduzir a inflação entre 10 e 25 pontos base (bps), segundo cálculos da Ativa Investimentos. A estimativa é que a medida tenha coeficientes de transmissão constante e os impostos caiam de 8% para 3%.

O governo ainda não esclareceu sobre como ou quando o programa se estabelecerá, mas a expectativa é de que os descontos viriam por meio de alívios temporários no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Assim, ainda sem maiores informações, as estimativas da Ativa foram realizadas com base nos efeitos no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA) de uma medida similar colocada em prática entre os anos de 2009 a 2013.

  • Reforma tributária vai ajudar a ‘salvar’ a ação do Assaí (ASAI3)? Saiba como a isenção de impostos da cesta básica pode impactar essa e outras ações clicando aqui. Aproveite para se inscrever no nosso canal aqui e fique ligado no Giro do Mercado, de segunda a sexta-feira, às 12h.

O programa reduzia o IPI sobre o fogão, a geladeira, a máquina de lavar e o tanquinho. De acordo com a Ativa, na época, o impacto na inflação para cada 1 ponto percentual de redução nos impostos foi de, no máximo, 5 bps e, no mínimo, 2bps.

Para 2023, os especialistas da Ativa estimam uma defasagem média de um mês desde a alteração até o impacto no IPCA.

O Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, conversa hoje com o presidente da república sobre o programa.

Para além de Lula, projeto deve ver resistência

O projeto de baratear os eletrodomésticos da linha branca deve encontrar resistência da equipe econômica.

Haddad deve resistir à ideia, uma vez que uma medida com impacto fiscal precisa de uma contrapartida. O ministro deve buscar as fontes para a compensação.

Aministra do Planejamento, Simone Tebet, por sua vez, defendeu que não adianta apresentar um programa de estímulo ao consumo antes do Desenrola, programa de renegociação de dívidas que passa a valer na segunda-feira (17).

Editora-assistente
Editora-assistente no Money Times e graduanda em Jornalismo pela Unesp - Universidade Estadual Paulista. Entrou para a área de finanças e investimentos em 2021.
Linkedin
Editora-assistente no Money Times e graduanda em Jornalismo pela Unesp - Universidade Estadual Paulista. Entrou para a área de finanças e investimentos em 2021.
Linkedin