Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Membros do Fed prometem manter juro perto de zero e pedem mais ajuda fiscal

23/09/2020 - 19:26
As taxas estarão no nível atual, que é basicamente zero, até que a inflação real observada pelo PCE alcance 2% (Imagem: REUTERS/Kevin Lamarque)

Autoridades do Federal Reserve (Fed) dobraram nesta quarta-feira os esforços para convencer investidores de que o banco central manterá a política monetária acomodatícia por anos para permitir a queda do desemprego, enfatizando que as taxas de juros ficarão próximas de zero até que a inflação chegue a 2% e aí permaneça.

O comitê de política monetária do Fed fez essa promessa na semana passada em sua reunião regular, prometendo deixar as taxas em seus atuais níveis próximos de zero até que a economia alcance pleno emprego, a inflação suba para 2% e esteja a caminho de ultrapassar moderadamente esse nível.

Tanto o vice-chair do Fed, Richard Clarida, quanto o presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, foram claros nesta quarta-feira: as taxas não vão aumentar até que os mercados de trabalho se recuperem totalmente da crise econômica causada pelo coronavírus e os preços atinjam a meta do Fed.

“As taxas estarão no nível atual, que é basicamente zero, até que a inflação real observada pelo PCE alcance 2%”, disse Clarida à Bloomberg Television, referindo-se ao índice de preços preferido pelo Fed.

“Isso é ‘pelo menos’. Poderíamos realmente manter as taxas neste nível para além”, disse Clarida. “Mas não vamos nem começar a pensar em elevar (os juros), esperamos, até que tenhamos uma inflação observada… igual a 2%.”

Quanto um “overshoot” (inflação acima da meta) para além desse patamar seria tolerável é uma discussão “acadêmica” até que a economia se recupere, disse Clarida.

Evans, por sua vez, não foi tímido. “Não temo uma inflação de 2,5%”, disse ele, observando que quanto menor a tolerância para um “overshoot” da inflação, mais tempo levará para o Fed cumprir sua meta de inflação média de 2%.

Apesar disso, disse, o Fed não aumentará as taxas até que a inflação chegue a 2% de forma sustentável e que o banco central esteja confiante que ultrapassará essa meta condições que não serão atendidas antes do final de 2023.

O presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, disse que pode demorar mais para o banco central cumprir essa meta se as infecções de coronavírus aumentarem no outono e inverno (nos EUA), levando a um crescimento econômico mais lento.

“Teremos sorte se conseguirmos 2% de inflação dentro de quatro anos”, disse Rosengren durante fórum virtual organizado pelo Boston Economic Club.

No entanto, investidores ficaram desapontados com o fato de o Fed não ter reforçado sua nova promessa ao aumentar suas compras de títulos, o que derrubou os principais índices de Wall Street.

O Fed cortou as taxas para quase zero em março e adotou outras medidas para combater a recessão que se instalou à medida que as empresas fechavam e os consumidores ficavam em casa para conter a disseminação do coronavírus.

Apesar de alguma recuperação da crise econômica, “há um longo caminho a percorrer”, disse o chair do Fed, Jerome Powell, ao Congresso, com milhões de pessoas ainda desempregadas em comparação à situação da economia em fevereiro.

“Precisamos continuar com isso… A recuperação será mais rápida se houver apoio tanto do Congresso quanto do Fed.”

Vários formuladores de política econômica têm dito que mais ajuda governamental do Congresso é necessária, com Clarida enfatizando que a economia dos EUA pode sair do atual “buraco profundo” de desemprego e fraca demanda em talvez três anos.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por André Luiz - 23/09/2020 - 19:26