Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Mercedes vende caminhões a transportadoras da Raízen, no maior contrato em 9 anos

25/05/2017 - 20:56

Raízen

No maior contrato fechado pela montadora de veículos comerciais em nove anos, a Mercedes-Benz anunciou nesta quinta-feira, 25, a venda de 524 caminhões a frotistas que prestam serviços de transporte à produtora de etanol e açúcar Raízen.

Do total, 286 unidades do modelo Atego foram vendidas à locadora Borgato e serão usadas nas lavouras da Raízen em atividades de apoio à produção, como o transporte de produtos e materiais até os canaviais, operações de reboque e, até mesmo, combate a incêndios. Nesse caso, as entregas começaram no mês passado e vão até setembro. Outras 238 unidades são caminhões extrapesados Axor, modelo capaz de carregar até 123 toneladas. Esses já foram entregues a um grupo de empresas que fazem o transporte de cana-de-açúcar para a Raízen.

O valor do negócio não foi divulgado. Embora os veículos tenham sido adquiridos por prestadores de serviços terceirizados, a negociação do contrato, que inclui ainda um plano de manutenção da frota, foi feita pela Raízen. Segundo Roberto Leoncini, vice-presidente de vendas da Mercedes-Benz, a encomenda não vai ajudar a reduzir significativamente a ociosidade da fábrica da marca alemã em São Bernardo do Campo, já que o impacto é diluído ao longo dos meses de produção num parque industrial onde a empresa tem condições de montar 80 mil veículos por ano.

O executivo comemora, porém, que o pedido reforça a posição de liderança da montadora no segmento de extrapesados usados em operações fora de estrada (off-road) – como atividades do campo e de mineração -, onde a Mercedes tem participação de 66,4%, com 888 unidades entregues nos quatro primeiros meses do ano. Leoncini diz que, tirando o contrato originado pela Raízen, os outros pedidos na carteira da montadora são menores. Ele ressalta, contudo, que, em tempos de crise, qualquer encomenda de cinco a 15 caminhões já pode ser considerada um “grande negócio”.

“Temos que capturar qualquer oportunidade que aparecer”, afirma. De janeiro a abril, as vendas de caminhões no Brasil, incluindo as demais fabricantes, caíram 24%, num total de 13,1 mil unidades, segundo número da Anfavea, entidade que representa as montadoras. Apesar do desempenho negativo, Leoncini diz que ainda espera uma virada até o fim do ano, no embalo, principalmente, da renovação das frotas de empresas que fazem o transporte da safra recorde deste ano.

“Diferentemente do ano passado, quando houve um vale no transporte por conta da quebra de safra, vamos ter transporte de grãos de janeiro a janeiro. Isso vai colocar os caminhões em operação de empresas que estão há dois anos sem renovar nada”, comenta o executivo, para quem o mercado deve terminar 2017 com crescimento de 6% a 10% em relação aos pouco mais de 50 mil caminhões vendidos no País em 2016.

(Eduardo Laguna)

Última atualização por - 05/11/2017 - 14:02

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto