Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ações da Movida fecham em alta de 3,83% depois de lucro disparar 45,8% no 3º trimestre

07/11/2019 - 18:07
No caso da receita líquida, a companhia fechou o trimestre com R$ 960,8 milhões, um crescimento total de 57,1% na base anual (Imagem: Divulgação/Movida)

Por Investing.com

As ações da Movida (MOVI3) fecharam a sessão desta quinta-feira (7) em forte valorização, resultado do reflexo do balanço divulgado pela companhia. No terceiro trimestre do ano, o lucro líquido aumentou em 45,8% para R$ 60,2 milhões, sendo que um ano antes foi de R$ 41,3 milhões.

Diante disso, os papéis subiram de 3,83% a R$ 16,28.

No caso da receita líquida, a companhia fechou o trimestre com R$ 960,8 milhões, um crescimento total de 57,1% na base anual, ante os R$ 611,5 milhões de 12 meses atrás. Já no segundo trimestre, as entradas foram de R$ 956,2 milhões. Assim, no acumulado do ano, o resultado agora é de R$ 2,729 bilhões.

A Movida teve ainda aumento de 60,6% no EBITDA versus o 3T18 chegando a um recorde de R$191,8 milhões no 3T19. A margem de serviços foi de 51,0%, um aumento de 12,3 p.p. no mesmo período, refletindo a evolução operacional em todas as linhas de negócios.

O avanço de 6,3 p.p.na margem EBITDA de Seminovos em comparação ao 3T18 atingindo -0,5% no trimestre. A ampliação de 82,7% no volume de carros vendidos, somada à margem bruta de 4,4% resultou em um EBITDA negativo em R$2,7 milhões, o melhor resultado desta linha de negócios desde o IPO.

O BTG Pactual (BPAC11) destaca que a dívida líquida caiu para R$ 1,53 bilhão (de R$ 1,67 bilhão no último trimestre), implicando 2,3x EBITDA LTM (de 2,8x), refletindo principalmente a conclusão da oferta subsequente em julho. A posição de caixa da Movida foi de sólidos R$ 1,6 bilhão, cobrindo vencimentos até 2021.

Para os analistas, as ações são negociadas a um atraente 15,3x P/E20, um desconto excessivo para os pares (RENT3 (RENT3) a 25,9x; LCAM3 (LCAM3) a 16,9x). O EPS deve continuar se expandindo fortemente, com previsão de um CAGR de 23% para 2019-22. Além da avaliação, o rating de compra também reflete a visão construtiva do setor, com base em sólidos pilares de crescimento (elasticidade de preço, nova mentalidade cultural, mais consolidação do setor).

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Renan Dantas - 07/11/2019 - 18:10