Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Muitas províncias da China cortam metas de crescimento do PIB para 2020

22/01/2020 - 9:49
China Bandeira
Pequim, Xangai e o centro de exportação do sul de Guangdong reduziram suas metas de crescimento de 6 a 6,5% para “cerca de 6%” (Imagem: Reuters/Jason Lee)

Cerca de dois terços das províncias, regiões e municípios da China cortaram suas metas de crescimento para 2020 em relação ao ano passado, apesar da redução das tensões comerciais com os Estados Unidos.

As metas regionais mais baixas reforçam as expectativas de mais desaceleração na segunda maior economia do mundo, depois que o Produto Interno Bruto (PIB) expandiu-se ao ritmo mais lento em quase três décadas em 2019, pressionado pela fraca demanda doméstica e global.

Das regiões de nível provincial da China, 22, incluindo Pequim, Guangdong, Zhejiang, Henan, Hainan e Fujian, estabeleceram metas de crescimento mais baixas este ano em comparação com a última, um número semelhante ao do ano passado.

Pequim, Xangai e o centro de exportação do sul de Guangdong reduziram suas metas de crescimento de 6 a 6,5% para “cerca de 6%” em 2020, em linha com a mudança esperada na meta nacional.

China Xangai Serviços
As metas regionais mais baixas reforçam as expectativas de mais desaceleração na segunda maior economia do mundo (Imagem: Reuters/Aly Song)

Este ano é considerado crucial para o Partido Comunista no poder cumprir sua meta de dobrar o PIB e a renda na década até 2020.

Pelo menos 11 regiões provinciais não cumpriram suas metas de PIB para 2019, de acordo com estatísticas preliminares divulgadas pelos governos locais.

Fontes políticas disseram à Reuters que a China planeja estabelecer uma meta de crescimento nacional mais baixa este ano, de cerca de 6%, ante 6 a 6,5% no ano passado, contando com o aumento dos gastos em infraestrutura para evitar uma desaceleração mais acentuada.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

As principais metas nacionais devem ser anunciadas em março. O crescimento esfriou para 6,1% em 2019, o mais fraco em quase 30 anos, e analistas consultados pela Reuters esperam que desacelere para 5,9% este ano, mesmo com medidas adicionais de estímulo.

Os Estados Unidos e a China assinaram a Fase 1 do acordo comercial no início de janeiro, marcando uma redução significativa, mas não o fim de uma disputa que ameaçou prejudicar o crescimento econômico global. Muitas das tarifas que os dois lados impuseram permanecem em vigor.

A China disse que unificará a maneira como calcula a produção econômica de províncias a partir do início de 2020, em meio ao ceticismo em relação à confiabilidade dos dados, mas ainda não está claro como isso afetará os números de crescimento.

Última atualização por Lucas Simões - 22/01/2020 - 9:49