Comprar ou vender?

MULT3, ALSO3 ou IGTI11? BBA escolhe nova ‘top pick’ entre shoppings após 4T23, cenário morno e reforma tributária

09 abr 2024, 18:42 - atualizado em 09 abr 2024, 18:43
shoppings multiplan
Para uma ação entre as 3 companhias de shoppings que o BBA menciona em seu relatório, há um desconto frente aos pares (Imagem: Unsplash/Christian Wiediger)

O Itaú BBA atualizou seus estimativas para as ações de shoppings após os resultados do quatro trimestre de 2023 (4T23).

O banco acredita que os investidores devem monitorar de perto os pontos de entrada em termos de valuation, pois esperam que 2024 seja um ano de catalisadores limitados e fluxo de notícias misto, com questões como:

  1. Pouco espaço para crescimento de receitas dado o cenário de inflação (IGP-DI) e espaço limitado para melhoria na ocupação ou inadimplência após um forte 2023;
  2. Potencial excesso de alocação de capital, uma vez que os investimentos podem parecer dilutivos em comparação com as taxas máximas implícitas, apesar de serem acrescidos em termos de TIR (taxa interna de retorno)
  3. Potenciais incertezas com a retomada das discussões sobre a reforma tributária (incerteza quanto a alíquota do Regime Tributário Especial)
  4. Posicionamento não leve, pois os investidores agregaram shoppings como alternativa para o varejo.

Dessa maneira, o BBA colocou a Multiplan (MULT3) como sua “top pick” (ação favorita), com a queda em torno de 12% no acumulado do ano para as ações sendo vista com um bom ponto de entrada. Além disso, a ação segue com desconto de 15% em relação aos pares.

Por fim, apesar de ainda gostar das teses de Aliansce Sonae (ALSO3) e Iguatemi (IGTI3), o banco ainda tem Multiplan como sua preferência.

Recomendações para as ações de shoppings

  • Multiplan (MULT3): preço-alvo de R$ 32, compra
  • Aliansce Sonae (ALSO3): preço-alvo de R$ 29 para R$ 31, compra
  • Iguatemi (IGTI3): preço-alvo de R$ 27 para R$ 29, compra

Repórter
Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu. Atua como repórter no Money Times desde março de 2023. Antes disso, trabalhou por pouco mais de 3 anos no Canal Rural, onde atuou como editor do Rural Notícias, programa de TV diário dedicado à cobertura do agronegócio. Por lá, participou da produção e reportagem do Projeto Soja Brasil, que cobre o ciclo da oleaginosa do plantio à colheita, e do Agro em Campo, programa exibido durante a Copa do Mundo do Catar e que buscava mostrar as conexões entre o futebol e o agronegócio.
Linkedin
Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu. Atua como repórter no Money Times desde março de 2023. Antes disso, trabalhou por pouco mais de 3 anos no Canal Rural, onde atuou como editor do Rural Notícias, programa de TV diário dedicado à cobertura do agronegócio. Por lá, participou da produção e reportagem do Projeto Soja Brasil, que cobre o ciclo da oleaginosa do plantio à colheita, e do Agro em Campo, programa exibido durante a Copa do Mundo do Catar e que buscava mostrar as conexões entre o futebol e o agronegócio.
Linkedin