Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Notícias negativas podem ser balde de água fria para mercado de câmbio

27/05/2020 - 17:28
Como parte dessa disposição de seguir notícias positivas, o euro atingiu a maior cotação desde 1º de abril (Imagem: Freepik/jcomp)

Investidores têm se afastado de moedas consideradas refúgios, desafiando uma infinidade de manchetes negativas sobre riscos. As chances são de que essa combinação de notícias desafiadoras e posicionamento otimista do mercado não dure.

Mesmo com o yuan offshore da China perto de nível recorde em meio às tensões entre os governos de Washington e Pequim, o iene – uma moeda de refúgio -, mostrava pouca variação em relação à maioria dos pares do G-10.

E a divergência entre o yuan onshore e o iene só cresce, aumentando o risco de uma recuperação da moeda japonesa caso uma nova Guerra Fria se torne o foco principal do mercado.

São sinais de complacência em alguns segmentos do mercado. O mesmo ocorre com a queda do índice Bloomberg Dollar Spot para o menor nível em de mais de dois meses na terça-feira, principalmente devido à flexibilização das restrições de isolamento social e controle das infecções por coronavírus.

Como parte dessa disposição de seguir notícias positivas, o euro atingiu a maior cotação desde 1º de abril, com o anúncio do plano de estímulo fiscal da União Europeia.

A libra subiu para o maior nível em duas semanas na terça-feira depois da notícia de que a UE está disposta a abandonar a abordagem “maximalista“ nas negociações de pesca com o Reino Unido na próxima rodada de negociações sobre o Brexit.

No entanto, ainda há potencial para correção, pois as notícias precisam se tornar positivas nos três principais fatores – Covid-19, comércio e geopolítica – ou os operadores podem ser obrigados a reavaliar sua exposição.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Leia mais sobre: Bloomberg, Câmbio, Mercados, Moedas

Última atualização por Vitória Fernandes - 27/05/2020 - 17:28