Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

O futuro do mercado de fundos imobiliários no Brasil

03/03/2019 - 11:01

Por RBR Asset Management

O mercado de Fundos Imobiliários (FIIs) nos EUA, mais conhecidos por REITs (Real Estate Investment Trust), é bem evoluído comparativamente ao mercado brasileiro – legislação, capilaridade com investidores, liquidez, etc. Só para ter uma ideia de dimensão, cerca de 80 milhões de norte-americanos, 25% da população, investem em REITs.

Em termos de propriedades, são mais de 500 mil que compõem os FIIs num valor de mercado total de aproximadamente US$ 1,0 trilhão. No Brasil, a indústria de FIIs ainda está engatinhando, representa pouco mais de 1% do total dos R$ 4,5 trilhões da indústria de fundos de investimentos. O valor de mercado total desses ativos é de R$ 44 bilhões, representados por aproximadamente 1.600 propriedades e títulos de dívida (ex: CRIs) – número infinitamente inferior aos dos EUA.

Contudo, a indústria de FIIs tem crescido a passos largos em nosso país. Em 2010, cerca de 10 mil investidores investiam nesse veículo, em 2017, esse número subiu para 100 mil, e hoje se encontra em 180 mil investidores – um
crescimento de 18 vezes no período. Em contraste, o mercado acionário saiu de 600 mil para 750 mil CPFs entre 2010 e 2018.

O desempenho de um fundo imobiliário depende basicamente de três fatores: qualidade do ativo, gestão e fatores macroeconômicos. Uma boa gestão vai desde a escolha de um ativo no preço justo até a antecipação de movimentos de mercado e fases do ciclo imobiliário nos seus respectivos segmentos (galpões logísticos, shoppings, lajes corporativas, hotéis, agências bancárias, etc.).

Além do mercado de tijolo, também temos os fundos de papéis que investem em CRI e LCI, e os fundos de fundos (mais conhecidos como FoFs) que investem tanto em fundos de tijolo quanto nos fundos de papel – interessante alternativa de diversificação e terceirização de gestão.

Olhando para o futuro, enxergamos um crescimento importante desse mercado. Fatores como desmobilização de ativo, desalavancagem financeira, redução do custo de dívida de empresas, desinvestimento de fundos de private equity, reciclagem de portfólio, mudanças regulatórias de fundos de pensão, crescimento do modelo de distribuição de produtos (ex: XP, Guide, BTG Digital), melhora da educação financeira, entre outros, sustentarão o crescimento dessa indústria.

Por fim, o processo de “Education” (ex: Empiricus, Suno e Eleven) dos investidores pessoas físicas juntamente com o aumento da transparência das gestoras de recursos são pontos fundamentais para o desenvolvimento da Indústria, em conjunto com uma evolução da legislação.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Gustavo Kahil - 03/03/2019 - 8:26

Pela Web