Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

O que Luis Stuhlberger pensa da crise atual? Veja a íntegra da carta do Fundo Verde

09/03/2020 - 19:00
“Não faltavam razões para agressividade de política monetária global, e esta (petróleo em queda) será mais uma”

Enquanto a crise gerada pelo coronavírus é ruim, mas que possui um caminho conhecido – estabilização dos casos em algum momento -, os efeitos secundários da forte queda de 30% do petróleo “especialmente nos mercados de crédito globais, são preocupantes”.

Esta é a visão da gestora Verde Asset comanda por Luis Stuhlberger, que tem adotado uma visão “gradualista”.

Segundo a carta distribuída nesta segunda-feira (9) aos cotistas (veja a íntegra abaixo), o Verde tem aumentado as posições em ações do fundo aos poucos, focando no mercado acionário americano. Wall Street é visto como mais resiliente e que deve voltar primeiro.

“Não faltavam razões para agressividade de política monetária global, e esta será mais uma. No médio prazo, é pouco provável que a aliança (entre Rússia e Opep) seja retomada, e devemos conviver com preços mais baixos de energia, o que transfere renda do bolso dos países árabes para os consumidores do mundo ocidental. Mas no curto prazo é um choque adicional nos mercados, que já vêm em posição frágil”, aponta.

Veja o texto completo:

O Verde teve perdas concentradas nas posições de ações, tanto no Brasil quanto no livro global, por conta da piora do cenário. Não houve ganhos relevantes no mês.

O choque trazido pelo coronavírus se espalhou pelo mundo. Um mês atrás a epidemia parecia em grande medida um evento restrito à China, com efeitos econômicos pelo mundo todo. Ao longo de fevereiro, a epidemia tomou corpo primeiro na Coréia do Sul, em seguida na Itália, e já vemos mais de uma centena de países com casos confirmados até aqui.

Os efeitos econômicos, primeiramente focados nos impactos na economia chinesa, e consequências nas cadeias de suprimento globais, agora tomam outra proporção. Todos os setores ligados ao turismo já efetivamente estão em recessão, e agora começamos a debater os impactos do crescimento do número de casos nas grandes economias do mundo ocidental, como Estados Unidos, França e Alemanha.

A visão que temos mantido desde o início deste processo tem três pilares:

(i) os mercados tendem a estabilizar conforme as taxas de crescimento do número de novos casos desaceleram (em outras palavras, o que importa é a segunda derivada);

(ii) conforme as temperaturas no Hemisfério Norte subam, a doença deve refluir;

(iii) a reação de política pública, seja monetária, seja fiscal, tem um papel importante em mitigar pânicos no mercado.

Neste contexto, conscientes de que o item (i) ainda está longe de ser resolvido – especialmente porque os Estados Unidos fizeram uma opção política por demorar em testar as pessoas – é que temos adotado uma estratégia gradualista, de aumentar as posições em ações do fundo aos poucos, focando no mercado acionário americano, que consideramos o mais resiliente e que deve voltar primeiro, quando as condições acima tiverem sido preenchidas

Os impactos negativos do coronavírus já são notícia ruim suficiente, mas a eles se juntou o choque deflacionista trazido pelo colapso do preço do petróleo. A aliança entre Rússia e Arábia Saudita no âmbito da OPEP+, que vinha suportando o mercado global de petróleo através de cortes voluntários de produção, implodiu no último fim de semana, levando o preço do barril para a casa de trinta dólares.

Os efeitos secundários dessa queda, especialmente nos mercados de crédito globais, são preocupantes.

Não faltavam razões para agressividade de política monetária global, e esta será mais uma. No médio prazo, é pouco provável que a aliança seja retomada, e devemos conviver com preços mais baixos de energia, o que transfere renda do bolso dos países árabes para os consumidores do mundo ocidental. Mas no curto prazo é um choque adicional nos mercados, que já vêm em posição frágil.

O fundo mantém por volta de 20% do portfólio alocado em ações no Brasil.

A exposição em ações globais veio sendo aumentada ao longo do mês, e hoje também chega a 20% do fundo. As posições em juros se mantêm similares. Em moedas as alocações continuam pequenas, com destaque para a posição comprada em Libra contra o Euro.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Gustavo Kahil - 09/03/2020 - 19:00

Cotações Crypto
Pela Web